Vida sexual após a menopausa

Vida sexual após a menopausa

Quando a mulher entra na menopausa - ou no período que a antecede, conhecido como climatério - enfrenta uma série de alterações hormonais que provocam desde ondas de calor e transpiração excessiva até problemas sexuais. O desejo diminui e a falta de menstruação vira sinônimo de falta de sexo.

Dados apresentados no XI Congresso Mundial de Menopausa, realizado em Buenos Aires em 2005, revelaram que 50% das mulheres de meia idade relatam algum tipo de disfunção sexual. As queixas de dor na penetração, decorrentes das alterações hormonais, geram dificuldades na manutenção da excitação, diminuindo ainda mais a lubrificação vaginal. Assim, reduzem as possibilidades de alcançar o orgasmo e por conta disto, diminuem ou inibem o desejo sexual.

Mas é preciso lembrar que o fato de perderem o interesse sexual não está diretamente ligado ao fato de deixarem de menstruar. "Existe a interferência dos hormônios no desejo, porém, do ponto de vista social e também psicológico, as mulheres compraram a ideia de que perderam a juventude e que não são mais capazes de despertar atração sexual", comenta o psicólogo e terapeuta de casais e família Paulo G. P. Tessarioli.

Ele, juntamente com as médicas ginecologistas e sexólogas, Ana Lúcia Cavalcanti e Ana Paula Junqueira Santiago, desenvolveu uma pesquisa sobre a satisfação sexual em mulheres com a chegada da menopausa, intitulada "A influência do uso do tonificador na consciência do assoalho pélvico das mulheres na menopausa". A pesquisa foi apresentada em agosto deste ano, no X Congresso da Sociedade Latinoamericano de Medicina Sexual.

O trabalho foi desenvolvido em São Paulo com oito mulheres de idade média de 52 anos, com dificuldade em ter orgasmos. Todas receberam kits com três tonificadores de diferentes pesos e diâmetros e foram orientadas a fazer exercícios diários de contração e relaxamento da musculatura do assoalho pélvico.

Esse assoalho é o "chão" ou "piso" da região pélvica, responsável por manter alguns órgãos (útero, ovários, bexiga) no devido lugar, por impedir a saída de urina, fezes e gases e também por manter a função vaginal (contração e relaxamento). "Mulheres jovens que se preocupam em manter níveis saudáveis de atividade física e postura, evitando sobrecarga do corpo, bom funcionamento do intestino, certo grau de consciência vaginal, contraindo e relaxando a vagina. Com a chegada da menopausa, estas mulheres se apresentam saudáveis dos pontos de vista orgânico e sexual. Mas caso isto não ocorra, dependendo do estado em que se encontra o assoalho pélvico, é possível fazer exercícios de contração e relaxamento da vagina com o uso dos cones, sempre com a orientação de um especialista em sexualidade", explica Paulo.

O resultado da pesquisa realizada foi positivo, provando que o uso do tonificador facilitou a percepção vaginal e, consequentemente, reativou o interesse pela atividade sexual em cinco das oito mulheres que participaram do estudo. Um kit composto por cones de diferentes pesos, bem parecidos com o tonificador utilizado na pesquisa, pode ser encontrado do mercado brasileiro.


Fora o uso dos tonificadores, é possível também manter o desejo aceso por outras vias, reforçado por meio da própria atividade sexual. Paulo indica que relações sexuais, masturbação, leitura erótica e até os filmes ajudam nesse sentido. "Colocar o desejo sexual como uma das prioridades na vida, com sua devida importância, da mesma forma que são importantes o trabalho, o lazer e o cuidado com o corpo também ajuda na manutenção do desejo".

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente