Tabus sobre o pênis podem atrapalhar a relação

Tabus sobre o pênis podem atrapalhar a relação

A preocupação com o tamanho do pênis está longe de ser um assunto discutido somente entre os homens. Na hora do sexo, algumas mulheres também pensam que um órgão de medidas avantajadas pode proporcionar mais prazer. Mas para alguns especialistas, essa questão é muito psicológica.

Para o terapeuta sexual Dr. Amaury Mendes Jr., o prazer está ligado ao estímulo. Quanto maior o grau de estímulo e tesão, maiores as sensações com qualquer tamanho de pênis. "Um órgão grande pode sim estimular visualmente, assim como um corpo feminino exuberante. Porém, pode se tratar de publicidade enganosa", diz.

O urologista Fernando Meyer, chefe do Departamento de Urologia do Hospital Cajuru Curitiba, afirma que essa preocupação é muito maior por parte dos homens do que das mulheres. "Em 99% das vezes, é o parceiro que se queixa. Ele compara o tamanho do seu órgão sexual com o do colega e cisma que tem problemas. Mas muitos garantem que suas parceiras não reclamam de nada".

Cerca de 80% dos pênis medem entre 11 e 16 centímetros. A média dos homens brasileiros fica entre de 13 e 14 centímetros. A circunferência do órgão ereto oscila entre 6 e 15 centímetros e em flacidez varia de 6 a 9 centímetro . O pênis é considerado grande se ultrapassa estas medidas e pequeno se estiver abaixo delas. "Ansiedade, frio e obesidade podem retraí-lo e enrugá-lo, diminuindo o seu tamanho", lembra Dr. Amaury.

A mulher possui sensibilidade em apenas 1/3 da parte externa da vagina, onde está localizada a maioria das terminações nervosas. Por isso, se não estiver lubrificada e excitada o suficiente, um órgão grande pode machucá-la na hora da penetração, impossibilitando o prazer. "Mais vale um pequeno esperto do que um grande bobão. Um órgão grande pode satisfazer o ego feminino e demonstrar para a mulher do que ela é capaz de fazer", explica o terapeuta. "Já donos de pênis menores necessitam saber manter o grau de excitação bastante tempo e trabalhar mais nas preliminares. Uma das opções é acrescentar um vibrador às brincadeiras."

Abusando do bem humor, Dr. Amaury conta que a mulher pode recorrer aos elogios para apimentar a relação, uma vez que todo homem é narcisista quanto ao pênis. Aliás, homens medem a masculinidade pelo tamanho do órgão e ainda dão nome próprio, como se estivesse dissociado do corpo: "Os melhores ‘carinhos’ que seu parceiro pode ouvir na cama são: ‘ele é muito grande’, ‘ai, não vou agüentar" ou ainda ‘nossa, você é enorme , nunca vi um assim’".

Um homem que considera seu órgão pequeno sem um comprovação clínica pode ter problemas psicológicos. "Ter o pênis grande é uma questão ainda muito machista. Às vezes, o pai leva a criança ao consultório reclamando disso. Essa atitude, algumas vezes, pode levar o filho a ter um bloqueio, uma impotência no futuro", conta Dr. Fernando. O tamanho dos testículos não faz a menos diferença. O importante é que produzam espermatozóides. "Porém, os dois devem ter o mesmo tamanho. Quando um é maior do que o outro pode trazer problemas de infertilidade ou câncer de testículo", ressalta o urologista.

Quando o assunto é desempenho, Dr. Fernando afirma que o número de ereções pode variar de acordo com os estímulos e a quantidade de relações que o casal possui durante a semana. E como o pênis amolece após a ejaculação, a mulher precisa esperar de 30 minutos a uma hora para que o órgão endureça novamente para ocorrer a penetração. "Não há um número exato de ejaculações. Há homens que conseguem repetir o ato três vezes. Tudo depende de questões físicas e psicológicas".

Para aumentar o prazer, uma sugestão do urologista é segurar a ejaculação. Mudar de posição durante o sexo pode ser uma alternativa. "Isso aumenta o tempo de relação e o prazer do casal, uma vez que a mulher precisa de mais estímulos para ficar excitada e atingir o orgasmo", diz.

De acordo com Dr. Fernando todo pênis possui uma curvatura fisiológica para o lado esquerdo. Quando ela é maior do que o normal, causa dor no ato sexual e impede a penetração vaginal. "A curvatura irregular é bastante perceptível. Ela é muito para baixo, para cima ou para o lado direito", esclarece. Quando o pênis realmente não possui um tamanho adequado, recorre-se às cirurgias. Mas Dr. Fernando deixa bem claro que esses procedimentos não são feitos para satisfazer o ego masculino. "Procedimentos desnecessários são feitos apenas por profissionais que não trabalham eticamente e podem trazer problemas futuros como dificuldade de ereção", declara. Há homens, por exemplo, que, dispostos a aumentar o tamanho da circunferência do pênis injetam uma substância parecida com silicone. "Caso essa substância seja absorvida pelo pênis, pode trazer problemas funcionais grandes", alerta o urologista.

Uma das ações aprovadas pela medicina, mediante exames que comprovem a real necessidade, é a liberação dos ligamentos do órgão sexual. O crescimento por meio desse procedimento varia entre 1 cm e 1,5 cm. A cirurgia dura entre uma e duas horas e o paciente pode ficar até dois dias internado. E pode retomar a vida sexual depois de um período entre 45 e 60 dias.


E uma notícia boa para quem sofre de ejaculação precoce. Ainda este mês o mercado deve disponibilizar um remédio para solucionar o problema. Até então, se amenizava o descontrole com antidepressivos. "Este novo remédio não possui efeito colateral e pode ser tomado minutos antes da relação", explica Dr. Fernando. "Na maioria das vezes, o homem tem controle sobre a situação. O exercício mais indicado pelos médicos é fazer masturbação. Quando for ejacular, interrompe o processo, espera 30 segundos para cortar o estímulo e recomeça", ensina.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente