Tabagismo prejudica o desempenho sexual

tabagismo x sexo

Tabagismo

A cena é clássica: após o sexo, um cigarro para complementar o prazer... Fumar depois da relação sexual é um hábito que para alguns relaxa e tem até um certo quê de glamour. Mas, a verdade é dura e a medicina comprova: o cigarro prejudica o desempenho sexual, diminuindo o fluxo sanguíneo nos órgãos genitais, o que interfere negativamente na ereção masculina e lubrificação vaginal da mulher.

A influência na fertilidade também deve ser levada em conta já que mulheres que não fumam têm o dobro de chances de conceber, quando comparadas às fumantes. "No caso dos homens os dados ainda são inconclusivos, mas estudos sugerem que o tabagismo diminui o desejo sexual e afeta o número, a mobilidade e a morfologia dos espermatozóides", afirma André Malbergier, professor doutor e colaborador do Depto. de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

E se o seu amado é fumante inveterado conte pra ele que estudos importantes tem comprovado a relação entre o tabagismo e disfunção erétil. O "Massachusetts Male Aging Study", realizado nos Estados Unidos, por exemplo, encontrou o dobro de chance de disfunção erétil moderada ou completa em indivíduos que fumam há aproximadamente 10 anos. "Muitos fumantes ainda desconhecem o tabagismo como fator de risco para a disfunção erétil. Por outro lado, a conscientização crescente da importância do problema e o surgimento de tratamentos mais eficazes são os grandes responsáveis pela mudança que já se percebe neste cenário", diz a professora doutora Carmita Abdo, coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Por sorte e saúde geral, o número de fumantes vem caindo, segundo o Ministério da Saúde. De 2006 a 2009, o percentual de fumantes da população brasileira caiu de 16,2% para 15,5%.


A coragem de abandonar o cigarro, iniciando uma terapia orientada pelo médico, mudando o estilo de vida, hábitos alimentares e exercícios físicos, será compensadora até entre os lençóis. "Uma discreta melhora no desempenho sexual pode ser percebida imediatamente após deixar o hábito de fumar, devido à melhor oxigenação. Porém, ganhos mais evidentes, associados à melhora das funções cardiovasculares e respiratórias dos fumantes, ocorrem ao longo do tempo e são tanto mais pronunciados quanto menos intensas tiverem sido as lesões produzidas pelo cigarro nesses órgãos", finaliza Carmita.

Comente