Sexo a três: como incluir este fetiche na relação?

Sexo a três relatos de um casal

Foto: Eyecandy Images/Corbis

Conforme a intimidade aumenta, mais forte fica nos parceiros a vontade de realizar aquelas fantasias guardadas a sete chaves. Com jeitinho e muita conversa, é possível concretizar os mais variados fetiches e torná-los até mais prazerosos do que a nossa mente podia imaginar.

E um dos desejos que povoa a mente de alguns casais é o sexo a três. A ideia de dividir a parceira ou o parceiro com um desconhecido pode parecer inconcebível para uns, mas não para Fernando, 48 anos, e Fátima de 42, conhecidos como Casal Pimenta. Casados há 14 anos, sem filhos, eles provaram o ménage depois de uma conversa que durou quase um ano. O resultado foi bom e agora eles tornam prática corriqueira.

"Era uma fantasia minha. Queria vê-la com outro homem, ver tudo o que não conseguia quando estava com ela, afinal ninguém transa de olhos totalmente abertos ou vê as reações do parceiro cem por cento", conta Fernando. Ele lembra que o anúncio do desejo causou muita estranheza e surpresa em Fátima, mas, com o tempo, ele foi percebendo que esse passou a ser da esposa também.

"Conversávamos sobre o assunto enquanto fazíamos sexo, normalmente imaginando a presença de outro homem conosco e o que poderia acontecer. Percebia que ela se excitava muito e ia se soltando em relação ao meu pedido", lembra. Após procurar uma terceira pessoa pela internet, o ato se consumou e o casal saiu muito satisfeito. Fernando garante que a relação na cama melhorou e muito com a experiência. A rotina não existe mais e as partes se conhecem melhor sexualmente.

Depois disso, Fernando e Fátima foram conhecer um clube de swing e gostaram. Passaram a frequentá-lo mensalmente, depois quinzenalmente e logo semanalmente. Em menos de um ano participaram e ganharam um concurso de festas liberais. Atualmente promovem festas em alguns clubes liberais do Rio. "Fazemos festas semanalmente no Pimentas Clube e mensalmente um encontro privê no Motel Shalimar", divulga o marido.

Fernando pensa que o sexo a três foi praticado sem traumas posteriores porque ele e Fátima desfrutam de um relacionamento bem estável. "Swing e ménage não combinam com casais em crise. Tem que haver uma segurança muito grande por trás disso para não se correr o risco de o casamento arruinar depois", afirma. "Nós nos amávamos acima de tudo e estávamos cientes de que haveria um caminho de volta, caso a experiência fosse desastrosa.", completa.

Quando o assunto é traição, Fernando declara: com essa abertura no casamento dele com Fátima não há necessidade disso, uma vez que eles podem sempre fazer juntos o que grande parte dos casais fazem escondidos dos parceiros. "Se você e seu companheiro têm a liberdade de variar de vez em quando com o outro sabendo, porque fazer escondido? Não há razões para ser infiel", afirma, "Mas é preciso muita cumplicidade e confiança entre o casal, para a fantasia não virar neurose ou motivo de perseguição."


Fernando comenta ainda que a prática do sexo a três envolve três etapas: a curiosidade, a vontade e a coragem. A vontade dá e passa e transformá-la em realidade requer diálogo para estabelecer confiança e limites do que pode ou não ser feito. "A coragem surgirá quando o casal tiver bem claro que isso é apenas uma ‘pimenta’ na relação, que não dependem disso para serem felizes ou se amarem", lembra. E finaliza: "Se entenderem que a questão não é ter mais prazer, mas sim de dar mais prazer para seu parceiro, aí então será perfeito."

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente