Sem tempo para sexo?

Sem tempo para sexo

Mesmo com toda a libertação sexual da modernidade, acredite se puder: a mulher faz menos sexo hoje do que fazia há 10 ou 20 anos. Em recente entrevista à revista Cláudia, a psiquiatra Carmita Abdo, que coordena as pesquisas do Programa de Estudos em Sexualidade do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (São Paulo), garantiu que nas décadas de 1980 e 1990, a sexualidade foi supervalorizada. Hoje, as mulheres têm em média três relações sexuais semanais. No passado, esse número era pelo menos o dobro. O motivo? Foco na carreira!

Mas nem todo mundo concorda que apenas a nova ordem do trabalho seja responsável para que o sexo tenha ficado um pouquinho de lado na cabeça das mulheres. O ginecologista Alexandre Faisal Cury, por exemplo, autor do livro "Segredos de Mulher" (Atheneu), acha genérica tal suposição. Mesmo assim, garante que estudos nacionais e internacionais mostram que queixas sexuais são frequentes, incluindo a falta de prazer e a falta de desejo. "Estatísticas apontam que até 40% das mulheres sofrem de baixa libido, sendo que algumas não têm qualquer interesse por sexo".

O psicanalista Rubens M. Volich, que escreveu o livro com Alexandre, concorda com o colega. "O que observo na clínica e na vida em geral é que isso pode ocorrer com algumas mulheres de forma particular ou em momentos específicos da vida de cada uma. Não tenho certeza que isso represente uma tendência, nem que esse comportamento seja mais frequente hoje do que em outras épocas do passado, mesmo recente. É importante considerar a especificidade individual desse comportamento quando ele acontece", alerta.

Rubens afirma, no entanto, que é de conhecimento da psicanálise, por exemplo, que a satisfação pode ser alcançada de diversas maneiras, inclusive pelo sexo. Mas, além dele, o amor, o trabalho e o conhecimento são também fontes de realização e prazer. "É possível, portanto, que para algumas pessoas, uma dessas dimensões possa estar propiciando maior satisfação do que as demais". Isso significa que uma pessoa envolvida e satisfeita com o trabalho pode investir nele mais intensamente, em detrimento das relações pessoais ou familiares ou, até mesmo, do interesse sexual. Outra, envolvida e satisfeita com a carreira acadêmica, pode também não ter necessidade de buscar a felicidade por meio do sexo.

Segundo o psicanalista, isso não é bom ou ruim, apenas convida a pensar sobre as consequências da diminuição do interesse nas áreas que são negligenciadas ou menos investidas. "Uma pessoa muito envolvida como a atividade profissional e com a carreira acadêmica, e que encontra nesses campos uma grande realização e prazer, pode não conseguir se dedicar tanto a uma relação afetiva ou sexual com um parceiro, à família aos amigos, e esses campos podem ficar comprometidos na vida dessa pessoa".

Ele avalia ainda que, no mundo "moderno", se vive mesmo de forma cada vez mais isolada e solitária. "Os jogos das crianças são cada vez mais individuais e menos coletivos, cada um escuta em seu aparelho sua música com seus fones de ouvidos, assiste a seus programas preferidos sozinho no quarto, e não coletivamente na sala. O individualismo não é uma condição propícia para os bons encontros e para a troca com o outro, condições necessárias para o encontro amoroso e sexual autêntico e satisfatório", pontua.

Com tudo isso, não é difícil entender quando o sexo fica cada vez mais difícil e insatisfatório, levando a pessoa a buscar em outros campos da vida o prazer que não consegue na cama. "Ou, ainda, a viver sua sexualidade de forma solitária ou egoísta, procurando apenas a satisfação de suas próprias necessidades ou fantasias, sem considerar as do parceiro".

Libido prejudicada

Alexandre Faisal Cury acha ainda que, além das questões individuais, que remetem à história e desenvolvimento psicológico da mulher, existem aspectos circunstanciais, externos, ligados às situações de vida e do relacionamento para que a libido e o desejo sejam menores. "Temos que lembrar as influências biológicas da puberdade, que desperta intensamente a sexualidade da menina, da gravidez e período pós-parto, onde este movimento é na direção contrária e, finalmente, a menopausa, que pode ter impacto negativo na sexualidade", diz ginecologista.

Isso tudo certamente varia de mulher para mulher, mas do ponto de vista do relacionamento, é fundamental que elas tenham um parceiro ativo, interessado, com quem tenham um bom vínculo. "A presença e qualidade da relação com o homem é fundamental para o desempenho sexual da mulher".


Além desse foco na carreira e da baixa da libido por motivos diversos, Alexandre lembra ainda que existem evidências de que a longevidade do vínculo amoroso - vulgo casamento - vem acompanhada de uma diminuição natural do desejo e da prática sexual. "Mas estes mesmos estudos mostram que as pessoas estão felizes com o que tem e o que fazem e não pensam em mudar de parceiros", finaliza.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente