Restaurantes Eróticos: uma experiência gastronômica e sensorial

Restaurantes Eróticos

Foto/Restaurante Latin Corner

A relação com o namorado anda muito monótona? Calma, ainda faltam dois meses para o Dia dos Namorados e há maneiras de sobra para esquentar o clima entre o casal. Uma delas é substituir a tradicional caixa de bombons por um jantar romântico. Não se trata de uma mesa para dois, à luz de velas e rosas ao som de violinos. O assunto aqui é mais apimentado. Estamos falando de jantares eróticos. Apesar de ainda não terem chegado ao Brasil, restaurantes que trazem esse conceito estão se tornando cada vez mais recorrentes mundo afora. Espanha, Portugal, Argentina e Estados Unidos são alguns dos destinos que já contam com essa novidade.

O "Te Mataré Ramirez", em Buenos Aires, promete shows e projeções sensuais, além de pratos com nomes como "Saborosa, se renda como fruta madura", "Amantes que se compartem" e "Estímulo Luxurioso" para complementar o clima. Aliás, o nome dos pratos costuma ser uma marca constante nesse tipo de estabelecimento. Outro restaurante que batizou seu cardápio com títulos sugestivos foi o "The Lingerie Restaurant", que tem duas unidades em Portugal. Que tal pedir um "Elixir Afrodisíaco" como prato principal e um "Orgasmo" para sobremesa? O estabelecimento, que tem despedidas de solteiro e festas temáticas como carros-chefe, garante usar ingredientes afrodisíacos em todos os itens do menu.

Mas os artifícios para apimentar a relação dos casais não param por aí. Luiz de Almeida, que é fundador e proprietário do "The Lingerie Restaurant", explica como faz para estabelecer o clima perfeito de erotismo no ambiente. "Desde que o cliente entra no restaurante é surpreendido por uma entrada de luxo e por um espaço com luz amena, onde sente desde logo o glamour e bem-estar.

A música ambiente também é importante. E nas paredes temos frases ditas por personalidades conhecidas que ditam uma perspectiva sobre o erotismo e a vida sexual", descreve. Para fechar a noite com chave de ouro, a sobremesa é servida por um garçom ou por uma garçonete em top less. De acordo com Almeida, esse é um dos motivos que fazem os atributos físicos prevalecerem em relação à experiência profissional na hora de contratar um funcionário para trabalhar nesse tipo de estabelecimento.

As ousadias dos restaurantes eróticos vão ainda além. O "B.E.D. (Beverage Entertaining Dining)", em Miami, é um dos lugares que leva esse conceito mais a fundo. Uma mistura de clube noturno e restaurante, lá a principal proposta é comer deitado. O garçom leva pratos contemporâneos, que unem influências francesas e brasileiras, até as camas cercadas de almofadas, num ambiente onde a luz é baixa e, por pouco, nula. Já a maneira de consumi-los fica a cargo da imaginação dos clientes.

Em alguns casos, o apelo muda de foco. Saindo do erotismo intenso proposto pelo "B.E.D.", o "El cortijo de los locos", em Madrid, encontra no humor sua peculiaridade. Especializado em despedidas de solteiro, reunião de amigos e aniversários, o restaurante conta, entre outras atrações, com um maitre louco - que cabe ao cliente descobrir se é homem ou mulher - e shows de drag queens.


Antes voltados sobretudo ao público masculino, os restaurantes eróticos abriram seu leque. Luiz de Almeida explica que quando conheceu o conceito, em uma viagem à Austrália, ele era voltado apenas para homens. Um de seus objetivos com o projeto foi estender a experiência às mulheres e casais. Hoje, há estabelecimentos em que apenas mulheres são permitidas. No Latin Corner Café, por exemplo, localizado no Quartier Latin, em Paris, os garçons andam seminus e fazem shows de tempos em tempos. A decoração chama atenção pelos sutiãs pendurados no lustre logo na entrada. Uma pedida para as solteiras.

Por Giulia Lanzuolo e Bianca de Souza (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: sexo sexualidade orgasmo