Profissão: Personal Sex Trainer

Profissão Personal Sex Trainer

Nunca as mulheres falaram tanto em sexo e se mostraram interessadas no assunto. Isso prova porque o mercado erótico vem crescendo a cada ano. Em contrapartida há muitos casais brasileiros com disfunções sexuais, fato comprovado por uma pesquisa sobre sexualidade feita pela empresa Tendencias Digitales, sob encomenda do Grupo Diários America (GDA), em 11 países latino-americanos. Por esse motivo a terapia é usada até em hospitais públicos, como vai mostrar o programa Globo Repórter desta sexta-feira.

Mulheres investem em brinquedos eróticos, lingeries e tudo mais para que a performance na cama agrade ao parceiro. No entanto, elas ainda têm problemas para atingir o orgasmo. Os homens por sua vez sofrem de ejaculação precoce ou disfunção erétil, também enfrentam problemas psicológicos, às vezes, mais fáceis de serem resolvidos do que os dois imaginam.

É nessa hora que entra na vida deles a personal sexy trainer Elis Angela Medeiros, que vem ajudando a salvar muitos relacionamentos há pelo menos 12 anos. Antes de trabalhar aqui no Brasil, em Curitiba, ela já atendeu casais argentinos e americanos. Parte dos homens e mulheres chega até ela depois de ouvir suas palestras sobre sexualidade ministradas Brasil afora.

Elis atende em domicílio e sua análise inclui observar o quarto e os hábitos do casal. "Como todo consultor, temos que observar o que há de errado dentro da empresa, que no meu caso, é a casa do casal. Conheço todos os cantos da casa. Não só dou dicas, como muitas vezes arrumo o quarto a minha maneira - tenho um grupo que me ajuda nisso, pois é muito comum este cômodo da casa precisar de um "look" diferente, afinal, se assim o fizerem o resultado será previsível". Os detalhes sobre trabalho da personal você confere na entrevista para o Vila Dois.

Qual é a diferença do seu atendimento em relação a uma terapia de casal?

É mais uma consultoria. Examino a casa, o marido e a esposa, depois conversamos juntos e então já tenho um resultado inicial de como trabalharei com aquele casal. Começo a falar sobre respeito, companheirismo, diálogo, só depois sobre sexo. Dependendo da patologia, se é o caso de uma violação sexual no passado, uma ejaculação precoce, hormônios ou outros problemas mais profundos, este casal será aconselhado a buscar ginecologista, urologista ou psicoterapeuta. E pode voltar comigo, se assim quiserem.

Nesses mais de dez anos aconselhando casais e participando da vida deles, quais dificuldades femininas ainda permanecem em relação ao sexo?

Elas ainda têm vergonha do corpo e do marido. A mulher precisa saber que é sensual sendo gorda, magra, jovem, senhora, bonita ou feia, basta ela se achar sensual. Ela precisa ter consciência disso. Eu mesma tenho 35 anos e sempre falo a meu esposo: este corpo tem duas amamentações, um parto normal e uma cesárea, nada de cirurgia e 15 quilos a mais, mesmo assim me acho mais sexy do que há 15 anos. E ele sempre me responde que eu sou maravilhosa do jeito que sou. Então o grande segredo é você estar satisfeita com o seu corpo, e às vezes, elas não se dão conta disso. Muitos matrimônios acabam sem o casal saber o porquê.

Algumas mulheres preferem um atendimento sem a presença deles, para ficarem mais a vontade ou mesmo fazerem uma surpresa depois. Como é esse bate papo?

Geralmente costumo reunir mais de uma mulher e fazemos um chá sensual. Nessa reunião dou dicas sobre sensualidade e o que é necessário para uma relação saudável. Nossa sociedade tem que aprender a se abrir sobre sexo com seus companheiros, pais e mães. Há pessoas que acham que a mulher tem que ser esposa e para aventuras sexuais existem outras mulheres. Isso precisa acabar. O grande segredo para um casal ser feliz é a comunicação.

Além de saber lidar com os próprios tabus, quais as principais queixas que as mulheres têm de seus parceiros?

Falta de atenção. Nas palestras de casais dadas por mim, o casal preenche um questionário separadamente e a grande maioria, 80% das mulheres, diz que está em crise no matrimônio, somente 20% dos homens respondem o mesmo, ou seja, dentro de uma relação o homem não nota que seu matrimônio está em crise e que sua mulher não está feliz. Na semana passada, durante uma entrevista a uma rádio, um homem ligou no ar e disse: "Tinha 35 anos de casado, minha mulher insistia para que saíssemos, para que eu pegasse um dia de folga no meu local de trabalho, pois tenho uma loja. Eu não dava a atenção que ela me pedia gritando em silêncio e acabamos nos separando. Hoje sei que sou culpado 80% da nossa separação, mas eu ainda a amo e estamos conversando. Hoje eu fecharia meu comércio, daria tudo que ela me pedisse para que estivéssemos juntos". Eles precisam falar menos, escutar mais e converse com sua companheira.


E qual é a reclamação campeã deles?

Muitas têm nojo do esperma. Não tem nada mais broxante para um homem que uma mulher se limpar com cara de nojo, depois de uma ejaculação e um sexo gostoso.

Anotado, meninas?

Por Juliana Lopes

Comente