Pesquisa afirma existência do Ponto G

casal apaixonado

A polêmica entre a existência e localização do tal “ponto G” corre desde a década de 50, quando o ginecologista alemão Ernst Gräfenberg divulgou essa misteriosa e poderosa área da anatomia feminina. O médico, que teve a descoberta batizada com a inicial de seu sobrenome, afirmava que este ponto, quando corretamente estimulado, proporcionava às mulheres orgasmos mais fortes que os obtidos com a estimulação do clitóris. Imaginem as dúvidas e o furor em torno da notícia?

Uma pesquisa realizada recentemente na Universidade de Áquila, na Itália, reafirmou a existência do Ponto G. Segundo o ginecologista responsável pelo estudo, publicado na revista New Scientists, ele está localizado em um tecido entre a uretra e a vagina.

Segundo o pesquisador Emmanuele Jannini, um dos autores do estudo, é possível determinar facilmente através de uma ultra-sonografia, se a mulher tem ou não um ponto G. Sim isso mesmo! Ele diz que algumas mulheres podem não ter o tal ponto, uma diferença anatônica normal que não impede que a mulher tenha orgasmos, que fique claro!

Participaram da pesquisa nove mulheres que já atingiram o orgasmo e 11 que não sabem o que é essa sensação. As pacientes que já atingiram o clímax apresentaram espessamento do tecido uretrovaginal, que seria o responsável pelo orgasmo. Para o ginecologista, ficou comprovado que as mulheres que não têm esse espessamento são incapazes de alcançar o orgasmo por meio da penetração.

Alguns especialistas se posicionaram questionando os resultados da pesquisa. Uns exigem exames mais sofisticados, outros um estudo com um número maior de mulheres. O fato é que o assunto ainda está longe de deixar de ser tema polêmico entre homens e mulheres e foco de questionamentos na comunidade científica.

Fonte - MBPress

Comente