O que é esse tal de sadomasoquismo 'light'?

Sadomasoquismo light  é a nova mania do sexo

Sadomasoquismo light é uma nova modalidade de sexo? Não tem problema está valendo. Foto/Imdb

Esse termo é novo - "sadomasoquismo" light é uma expressão que surgiu com o estouro editorial e agora transformado em filme "50 tons de Cinza", em que uma moça tímida e ingênua se entrega aos caprichos sexuais de um homem misterioso e que adora sadomasoquismo.

Esta parte do "light" é apenas para diferenciar, porque quem conhece o significado de sadomasoquismo e de suas diversas aplicações na hora do sexo, sabe que ele é mostrado de forma mais branda. Isso pode ser bom, pensando bem. Mais mulheres poderão entender o prazer envolvido nessa prática, assim e praticar mais.

A versão light desse tipo de sexo que tem como características os praticantes sentirem alguma dor, sofrimento, dominação e submissão, acabou ajudando mulheres do mundo inteiro a descobrirem um novo mundo de prazer. Mesmo que os "especialistas" torçam o nariz para isso. Mesmo que você não tenha gostado dos livros ou ao menos lido, você ouviu falar de Mr. Grey.

Aí reside parte do fascínio e excitação por esse homem que pode ter qualquer mulher do mundo, mas escolhe a cabaleante Anastasia, justamente por ela ser assim. As algemas, chicotes e ordens, e demais fetiches acabam sendo um pretexto para unir duas pessoas numa história de amor levemente apimentada no começo, como todas as boas.

Se algumas de nós ainda achavam essa coisa de submissão, ou de acessórios sexuais, como chicotes e algemas, algo distante do cotidiano, está na hora de pensar em mudar de opinião. Já que este desejo está quase batendo em nossas portas, com tantos estímulos. Por que não experimentar?

Devemos abrir nossa imaginação e deixar este desejo entrar. Se este desejo se vestiu de sadomasoquismo "light" e está nos deixando com vontade de quebrar tabus sem sentido e nos deixando literalmente de quatro, tanto melhor. Prazer em massa? Prazer globalizado? Pois que ele venha e nos tome por completo.


Por Giseli Miliozi

Comente