O amor dos indianos - parte II

De acordo com a crença hindu, a alma ou karmado ser humano é uma força indestrutível que é reencarnada de uma vida para a seguinte.

O nível em que esta reencarnação se dá, depende de como o dono do karma tenha vivido sua anterior. Assim, uma vida vivida de maneira exemplar promete a elevação a um nível superior na vida seguinte. Daí a necessidade de se comportar corretamente segundos os princípios hindus.

Os três objetivos principais da vida hindu são:

-O primeiro e mais importante, Dharma, que significa melhorar o bem estar do espírito ao viver a vida, respeitando as leis religiosas, sociais e morais da sociedade;

- O segundo é Artha: a acumulação de riqueza e de segurança material;

- O terceiro é o Kama, o estímulo e a satisfação dos sentidos através de atividades como artes, comer, beber e fazer amor.

Isso mostra que para o hinduísmo a atividade sexual é uma parte importante da existência humana e também a considera uma das rotas para uma vida espiritual plena e harmoniosa.

Em “Caminho das Índias” depois que a personagem “Maya” oficializa o noivado com “Raj”, a sua mãe lhe explica os segredos do KamaSutra e a importância do livro para a felicidade do casal. Os sábios acreditam que com a leitura a união tem mais chances de dar certo.

Existem muitas interpretações errôneas do KamaSutra. Na realidade, não é apenas uma coleção variada de posições que impõem esforços ao corpo. O KamaSutra, representa a experiência acumulada em mil anos de sexualidade praticada em uma das maiores civilizações do mundo.

Conforme a filosofia hindu antiga, os manuais indianos encaram o ato de fazer amor sob um contexto mais amplo do relacionamento homem/mulher. Enquanto o sexo em si é uma arte a ser estudada, praticada e dominada, não pode ser separado de outros aspectos do kama - O mundo dos sentidos - o qual os hindus consideram como parte fundamental da existência.


Este enfoque aparece com clareza no KamaSutra. Apenas uma seção é dedicada às técnicas de fazer amor, as outras tratam de como atrair e manter-se junto a um parceiro. Em todo o documento há uma ênfase muito grande na necessidade da higiene pessoal, cuidado ao vestir-se, preparação do ambiente e conhecimento de Arte. E também ressalta a importância de buscar conhecer as preferências do parceiro e como correspondê-las. Beijos e abraços que antecedem o sexo são descritos em detalhes.

O “KamaSutra” em ação

A seção do KamaSutra que trata da arte de fazer amor é iniciada com conselhos sobre como se aproximar do parceiro, seguida de instruções de como beijar, as carícias preliminares, as posições e técnicas para o coito. O sexo oral é tratado separadamente, em virtude de sua especialidade.

O Abraço

Carinho, saudades, desejo. Um abraço pode dizer mais que mil palavras. De acordo com o KamaSutra, quando amantes se encontram, seus corpos podem tocar-se de leve, esfregar-se “furarem o outro” (invadir o “espaço pessoal” do outro) ou serem apertados contra um sólido próximo, como por exemplo, uma parede. A partir daí, o encontro evolui até um dos quatro tipos clássicos de abraço de amantes.

De pé, o casal pode se entrelaçar - o enroscar da trepadeira - ou a mulher pode segurar-se ao homem com um pé fora do chão e outro sobre o pé dele - trepando numa árvore. Deitados na cama, os amantes podem enroscar seus braços e pernas, de modo apaixonado - “mistura da semente de gergelim com arroz”. Ou então, a mulher senta-se no colo do homem no abraço -“ misturando leite com água”.

O autor, cita variações nos quais o casal se concentra num contato intenso entre seus corpos. Um contato corporal é uma preliminar indispensável na relação amorosa satisfatória. Experimente abraçar mais seu parceiro e quem sabe criar novas maneiras de se abraçar.

Um grande abraço!

Fátima Mourah é “Personal Sexy Trainer”, professora de artes sensuais e autora dos livros “Sexo pra mulheres casadas” e “Sexo, amor e sedução”. Dá palestras e cursos de striptease, pompoarismo, pole dancing, como atingir o orgasmo e massagem erótica.

Comente