O amor dos indianos

Para os mestres indianos, na arte de fazer amor; “um conhecimento profundo dos sentidos, um ambiente adequado e uma sedução realizada sem pressa, levam a uma harmonia sexual perfeita”.

Para nós, o sexo é perturbado pelo sentimento de culpa muitas vezes; ansiedade; cobranças e falta de criatividade. Para os indianos, representa um direito humano fundamental, a ser conhecido, praticado e desfrutado, para que se leve uma vida mais alegre e gratificante. É considerado sagrado, essencial à vida e portanto merecedor de estudo sério.

Os antigos manuais indianos, dentre eles o KamaSutra (um dos mais conhecidos) dizem que o sexo não é algo que possa ser aprendido da noite para o dia. Os autores destas obras famosas tinham plena consciência de que as relações amorosas incorporam todos os aspectos da existência humana, desde o que se come até a maneira como se decora o quarto de dormir, e de que apenas levando estas coisas em conta é que se pode alcançar a condição de mestre da arte.

Os mestres consideravam importante a capacidade de sentir o que excita uma pessoa e explorar isto para que o prazer sexual possa ser aumentado ao máximo. E para evitar que o sexo se torne rotineiro, era necessário um “esforço conjunto”, para haver variações à imaginação na maneira de fazer amor.

Os indianos dão muito valor ao estabelecimento de um clima propício para se fazer amor: luz fraca, ambiente confortável e música suave são consideradas indispensáveis para criar o clima adequado.

No KamaSutra, Mallinaga Vatsyayana recomenda que o homem inicie por abraçar a mulher da forma que ela mais gosta, por pouco tempo. Prossegue sugerindo que enquanto o homem está sentado ao lado da sua amada, segurando seu braço carinhosamente, ele oferece a ela um doce ou algo que aprecie comer, colocando-lhe de maneira tentadora na boca, acariciando levemente os lábios de modo que um contato mais íntimo, ainda que inocente seja estabelecido.


Experimente usar essa técnica com o seu parceiro usando um morango ou um bombom. Os indianos fazem tudo para que o casamento seja um sucesso. Na Índia, tanto os homens como as mulheres são estimulados pelos pais a ler o livro dos desejos: KamaSutra.

No nosso próximo encontro, vamos conversar mais sobre essa maneira maravilhosa de fazer amor.

Fátima Mourah é “Personal Sexy Trainer”, professora de artes sensuais e autora dos livros “Sexo pra mulheres casadas” e “Sexo, amor e sedução”. Dá palestras e cursos de striptease, pompoarismo, pole dancing, como atingir o orgasmo e massagem erótica

Comente