Namoro longo - como sobreviver

Namoro longo  como sobreviver

Acho que todo mundo conhece alguém que namora há "séculos". Ou porque simplesmente se acomodou ou começou o relacionamento na adolescência e pretende realizar alguns projetos pessoais antes de trocar as alianças.

Para a psicóloga especialista em técnicas cognitivas e comportamentais, Karina Haddad Mussa, o problema não está nos anos e anos de namoro, mas sim na falta de comprometimento com si próprio e com o outro. "Quem ama de verdade morre de medo de perder o parceiro. E quando o relacionamento desanda e os dois viram amiguinhos demais, vira acomodação e perde-se esse medo, o desejo de zelar pelo outro".

Conforme explica Karina, o namoro existe para que duas pessoas possam criar afinidades, aprender sobre si próprio e sobre o parceiro. Sem contar que as inúmeras discussões ajudam a dar os ajustes necessários para que o casal caminhe na mesma direção. "É como se cada parte envolvida trouxesse um espelho para dar ao outro o privilégio de se enxergar. Tiram-se as máscaras e mostra-se a verdade", garante.

A psicóloga faz questão de se lembrar de uma frase que diz: "O amor não é para preguiçosos". E, infelizmente, o ser humano tem tendência à acomodação. Portanto, para não cair na mesmice e transformar um relacionamento longo em casamento, o casal precisa entender que o amor é uma construção contínua.

"O correto é cuidar de um relacionamento como se cuida de si próprio. Você não vai à academia para cuidar do corpo? Não procura um nutricionista para melhorar a alimentação? Não procura remédios para curar suas dores? Com o amor é a mesma coisa", exemplifica. "E não se esqueça de manter a sua individualidade e a do parceiro. Resolva suas questões para estar pronto para o outro. Sua cara-metade não pode ser depósito das suas necessidades e expectativas. Não seja egoísta!"

Se por um lado um longo namoro baseado no comprometimento gera cumplicidade e companheirismo, sem alicerce ou metas pode levar o casal a perder a vista o real objetivo de um namoro, que é a construção de um projeto de vida a dois. "A relação precisa de amizade sim, mas não pode perder a paixão, o tesão", afirma Karina.


E pelo fato de não acreditar que exista um tempo pré-determinado para se namorar, a psicóloga põe abaixo o trocadilho ‘namoro longo, casamento curto’. "Há pessoas que se casam em dois, três meses. É estranho, mas acontece. Da mesma maneira que um casal que namora oito, 10, 11 anos antes de casar, pode ser muito feliz".

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: relacionamento amor namoro casar namoro longo