Mulheres consomem conteúdo erótico sim!

Mulheres consomem conteúdo adulto

Quando se pensa em conteúdo adulto na televisão, é impossível não imaginar que o telespectador seja homem. Mulher, se gosta, prefere elaboração nas histórias - e não somente sexo. Será mesmo? Uma pesquisa da Playboy do Brasil Entretenimento, realizada através do Instituto Quantas no ano passado, derruba esses mitos.

"Quando fizemos nossa primeira pesquisa em 2005, descobrimos que as mulheres representavam 30% do nosso público. Agora, para nossa surpresa, elas são a maioria dos nossos assinantes. O resultado nos surpreendeu e resolvemos investir na audiência feminina", diz o gerente-geral da Playboy do Brasil, Maurício Paletta.

Segundo ele, no ano passado mulheres já somavam 51% dos assinantes dos canais (Sexy Hot, For Man, Playboy TV Playboy TV Movies, Venus e Private) da Playboy do Brasil. O número significa uma evolução de 10% em relação ao ano de 2005, quando a primeira pesquisa - só do canal Sexy Hot - foi realizada. "As mulheres estão sim assumindo que gostam de conteúdo adulto e o mercado está oferecendo produtos específicos para elas, o que acaba repercutindo no aumento de consumo", diz Maurício.

Esses produtos específicos já fazem parte da grade dos canais Playboy. "O Sexy Hot, por exemplo, desde 2004 oferece programas que exploram comportamento e saúde sexuais. O canal manteve durante seis anos o programa "Zona Quente". Com uma linguagem descontraída e informações sobre sexo, foi criado para atrair o público feminino", lembra o gerente. Em 2007, eles resolveram lançar uma atração só para "elas", chamada "Boa de Cama", nas noites de quinta-feira. Nesse programa, um time de terapeutas sexuais trazia informações sobre posições, prevenção de doenças e brinquedos eróticos. "Além disso, eram exibidos filmes com enredos mais elaborados e produções caprichadas, para agradar o público feminino".

Mas, a nova pesquisa descobriu que o público feminino agora busca conteúdo mais "hard". "Por isso reformulamos a grade do Sexy Hot para lançar, em abril desse ano, uma nova atração, que substituirá esses dois programas. Estamos apostando numa linguagem mais irreverente", adianta.

"Além do Sexy Hot, outros canais da Playboy Brasil focam no público feminino, com enredos e produções mais elaboradas e, alguns deles, com conteúdo mais leve que também agrada a esse público", lembra Maurício.

"O Playboy TV Movies é um canal de filmes com conteúdo mais leve, apesar de exibir cenas de sexo explícito. Já o Private se diferencia por mostrar filmes mais pesados, em belos cenários, principalmente na Europa. Na Playboy TV, o público encontra séries, reality shows e programas de conteúdo adulto soft que exploram a sensualidade", descreve.

Outro item revelado nas pesquisas - e que surpreendeu o pessoal da Playboy, é que os consumidores desses canais preferem assistí-los acompanhados. "O público que assiste ao canal sozinho diminuiu 6% de 2005 para cá e o que assiste com o parceiro subiu 13%", calcula Maurício.


Hoje, 65% curte a programação bem acompanhado e grande parte dos assinantes tem relação estável e filho. O costume é assistir o canal sem som, para não acordar os pequenos, claro!

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: sexo playboy casais mulheres tv pornô