Moscou ganha Museu do Sexo

Moscou ganha Museu do Sexo

Foto Reprodução tochkag.net

A poucos metros da rua central Arbat, uma das mais concorridas da capital russa, foi construído um espaço que mistura imagens eróticas, sex shop e café. O Tochka G, ponto G, em português, o maior museu do sexo da Europa, foi idealizado por Alexander Donskói, um empresário russo que exerceu a vida política por oito anos.

O projeto não tem o intuito de chocar, mas de promover a liberdade. Em entrevista ao jornal "The Guardian", Donskói lamenta que a expansão da Igreja Ortodoxa tem fomentado a repressão moral entre a sociedade. Grande parte da vida noturna da capital russa é cercada de bordéis e clubes de strip. Mas quando se trata de discurso público, o sexo passa a não existir.

O ambiente possui ao todo 800 m², sendo que 300 deles são ocupados pela loja. Nela, os clientes se deparam com mais de 3.000 peças, entre instalações, fotografias, pinturas, esculturas e porcelana. Há também bonecas, vibradores, chicotes, más caras de látex, lingerie rendada e roupas sexy para mulheres.


Um dos destaques da loja é um quadro "Wrestling", assinado por Vera Donskaya-Khilko. A obra retrata o premiê russo, Vladimir Putin, e o presidente dos EUA, Barack Obama, sem roupa e com gigantescos pênis em cores semelhantes às de mísseis balísticos.

Para a criação do museu, Alexander investiu US$ 2 milhões e contou com a assessoria de colecionadores e especialistas de vários países. Sem propaganda, a não ser a distribuição de panfletos na rua, o local recebeu quase 20 mil pessoas em um mês.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente