"Me apaixonei por um gay"

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Me apaixonei por um gay

A gente não escolhe por quem nos apaixonamos, apenas acontece. Foto: © Yuri ArcursTetra Images/Corbis

Esse tipo de paixão é mais comum do que você pensa. Muitas mulheres que cultivam uma amizade próxima com gays se apaixonam por eles.

Os motivos são os mesmos pelos quais uma mulher se apaixonaria por qualquer um, só que, com o detalhe de que essa mulher cultiva um amor que para muitas acaba sobrevivendo sem se importar em não ter nada em troca, nem sexo. A personalidade, a cumplicidade, a empatia e o desprendimento, bom humor e a disponibilidade são alguns dos fortes motivos.

Há casos de mulheres que não percebem que ele é gay. Alguns não deixam muito claro e agem muito normalmente, e daí aquela dúvida: "por que será que ele não tenta nada comigo?". Não é difícil se apaixonar por alguém que te dá atenção, está sempre com você, te valoriza, te faz rir, te dá coisas menos "concretas" e acaba tapando o buraco de uma vida emocional sem graça. O sexo acaba ficando de lado, o que é muito ruim, mas acontece.

"Quando dei por mim, já estava apaixonada", relembra Marisa*, analista de sistemas de 45 anos, que se viu apaixonada pelo professor gay da pós-graduação depois que ficaram amigos.

"Minha vida estava ótima em termos de trabalho, mas no campo sentimental estava um marasmo. No início, eu apenas o admirava pela sua beleza, inteligência e jeito de ser, mas ele também 'foi com a minha cara' e se aproximou. Aí começamos a fazer algumas coisas fora da sala de aula, íamos jantar juntos, tomar cerveja, visitar museus etc. Ele começou a me esperar para irmos juntos até a estação de metrô e foi então que 'caiu a ficha'".

Uma história muito parecida com a realidade vai acontecer em "Amor à vida", a doutora Amarylis (Daniele Winitts) vai se apaixonar pelo advogado gay e casado com um homem, interpretado por Marcelo Anthony. Pelas mesmas razões de Marisa e de muitas outras.

Depois de constatada a paixão, o que fazer? A primeira coisa é a negação e depois a vontade de "converter" o rapaz, quem sabe. você não é tão mulher que pode fazer o cara mudar de ideia? Péssima estratégia.

Alguns gays podem até transar e ter muito carinho por uma mulher, mas isso não garante que ele vá sentir isso todo dia, não se iluda, ele sabe o que quer e do que gosta. Marisa também passou por esse momento: "Passou pela minha cabeça que seria possível mudar a opção dele, pois ele dizia que na escala gay (0 a 100) ele era 90. Com o passar do tempo eu percebi que os 10% não eram suficientes para uma mudança".

Depois de chegar a essa conclusão Marisa* percebeu que o relacionamento nunca daria certo. "Comecei a perder o interesse nele como homem, o relacionamento foi esfriando e eu fui me afastando. Quando eu terminei o curso resolvi diminuir as saídas, e assim foi acabando até zerar de vez", completa Marisa, que não se arrependeu de nada. "Nunca houve mentira ou ressentimento".

E a Dra. Amarylis? Nós achamos que ela não tem a menor chance com os lindos de "Amor à vida", eles parecem muito seguros e felizes.

* O nome foi trocado para preservar a identidade da entrevistada


Por Giseli Miliozi

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente

Assuntos relacionados: sexo amor personalidade apaixonada gay empatia