Era para ser apenas uma noite...

-Se você é como eu que diz que '' no amor e na guerra vale tudo'' e trata a vida

emocional como um jogo então não subestime seu oponente e não tenha duvidas quanto aos seu alíados-

Era para ser uma segunda-feira normal, havia chegado de viagem, acompanhei umas amigas até um restaurante para jantarem e enquanto isso resolvi ligar para um ''bom partido'' no qual havia apostado algumas fichas, ou seja dado uma investida, afinal não custa nada chegar primeiro que outra em uma boa possibilidade. Ele me tratou frio parecia estranho então como não tenho paciência para o tipo de pessoa que não sabe o que quer, desliguei o celular e decidi brincar de ser feliz com os homens, já que eles impiedosos fazem isso com nós mulheres. Decidi que escolheria uma vitíma e ''descontaria'' com um requinte de crueldade a maldade dos homens.

Acabei indo para um bar com essas amigas, no final restou apenas eu e mais uma que decidiu ligar para um amigo que chamou mais um amigo já que ela estava acompanhada para ir para esse bar. Eu que havia decidido ser cruel já estava de novo querendo apenas o meu quarto e minha cama como uma boa menina. Pedi uma outra amiga para vir ocupar meu lugar no bar mas ela não apareceu. No final das contas estava eu conversando e rindo com um copo de cerveja na mão em plena segundona, o que ia totalmente contra aos meus princípios.

No meio da conversa um dos rapazes me olhou fixo e eu desviei, acho que foi nessa hora que entreguei o jogo, já que ele resalta ter me ganhado ainda naquela mesa em um certo momento quando nossos olhos se cruzaram.

Rodamos a cidade, eu no carro dele e minha amiga no outro carro e já pelas tantas paramos na parte alta para ver as luzes da cidade. Os carros longes um do outro ele não pediu pra me beijar, chegou de leve eu não resisti, quando beijei ele foi como se tivesse liberado a dopamina parecia eu uma leoa faminta dentro da jaula com uma presa. No entanto, lembrei que faria uma vitíma, tiramos a roupa alí no carro, parecíamos dois devoradores, loucos, desejando e sendo desejados, mas eu não transei com ele... no entanto ele me colocou no colo, literalmente, olhou nos meus olhos, profundamente e quis saber o motivio do meu olhar triste, o que haviam feito comigo... eu que já estava nua das roupas me senti despida de alma, não esperava, já havia dito que não íamos transar,deixei ele sentir que eu tava toda molhadinha de tesão, zuei com ele e no entanto, ele se preocupou comigo, viu além de mim.

Então deixei ele me levar, me conduzi e abri o jogo do meu passado, das minhas dores, eu que antes era uma leoa me vi como um peixe preso na rede.

No final das contas ele me deixou em casa, não peguei o telefone dele, nem ele o meu. Gostei dele, mas não queria encontra-lo de novo, era para ser apenas uma noite, ele já sabia onde eu morava, tinhamos uma amiga em comum e depois de ter deixado ele na mão, pensei como um ''homem'' ele vai dormir meio chateado então é melhor deixar pra lá, curti, deitei com o cheiro dele, foi o bastante pra mim. Lembrei dele chegando de mansinho pra me beijar, meio que me cheirando pelo ombro, pescoço, nessa hora havia pensado ''ele vai cair do cavalo, ele se acha, nem se quer sabe se eu '' quero'', vou dar o troco''. E no entanto, apesar de não ter rolado nada além de um bom amasso, foi gostoso, dormi pensando nele.

Comente