Dia do Orgasmo - vai comemorar?

Dia do Orgasmo  vai comemorar

"Orgasmos são como ônibus", afirma a colunista Kate Taylor, autora de um guia que promete ajudar a chegar ao clímax e apimentar relacionamentos. Segundo ela, "eles estão em todas as esquinas e vêm um depois do outro". Bom se fosse assim, né? Para muitas mulheres, chegar lá é tão complicado quanto embarcar num coletivo lotado. Mesmo assim, há motivos para se comemorar, quando o assunto é chegar lá. Tanto que até um dia foi criado para celebrar o ponto máximo do prazer sexual.

Criado na Inglaterra por lojas de sex-shop para manter acesa discussão sobre libido e disfunções sexuais, o dia é comemorado em 31 de julho. E, pelo menos, serve para chamar a atenção para o tema.

Hoje, por exemplo, muita gente sofre de anorgasmia, que é a falta de orgasmos, e prefere nem tocar no assunto. Mas, além dos fatores orgânicos, muitos outros interferem para que o clímax não seja alcançado. A médica Sylvia Marzano, terapeuta sexual e coordenadora do Instituto Brasileiro Interdisciplinar de Sexologia e Medicina Psicossomática (Isexp), lembra que não se relacionar com o próprio corpo - muito por culpa das repressões passadas com relação ao prazer - é uma das razões para a mulher não alcançar orgasmos.

Segundo Sylvia, falta também conhecimento do próprio corpo, como "não saber que o orgasmo na penetração é um aprendizado, e que há uma necessidade de boa estimulação do clitóris para que a mulher se excite e aprenda a tê-lo". Há ainda o problema do machismo, envolvendo o prazer. "A crença de que o responsável pelo orgasmo feminino é o homem é errada. Assim, a mulher fica esperando que os sinos toquem... e o homem tem que fazer tudo", critica. "Eles mesmos acreditam, erroneamente, que são responsáveis por ‘dar orgasmo para a mulher’".

Fora tudo isso, há o probleminha básico daquelas pessoas que se enganam - e fingem o orgasmo. Sylvia diz que tanto homens como as mulheres fazem isso, mas elas ganham disparadas. E a culpa, segundo ela, é dos próprios homens. "Muitos acham que a mulher é obrigada a gozar em toda relação sexual. E elas fingem pois se cansam da cobrança. Tenho pacientes que falavam que ‘se ela não gozar, eu não me completo’", relata.

Além desses "problemas", é preciso cuidado com medições usadas para tratar transtornos ou doenças, por elas poderem interferir na hora de chegar lá. A falta de hormônios na menopausa também pode alterar a qualidade do orgasmo.

Hoje, mesmo com tanta gente falando sobre - e tendo - orgasmos, ainda há muitas duvidas com relação ao assunto, principalmente entre as mulheres. Sylvia diz que muitas, por exemplo, vão atrás do orgasmo múltiplo porque ouviram ou leram que devem ter. E não é bem assim. Mitos de todo tipo ainda reinam, mas o importante é que a mulher está, sim, indo atrás do próprio prazer.


O alerta de Sylvia é que não há como chegar o ponto máximo, ver estrelinhas e sininhos quando o relacionamento é abusivo ou não há acolhimento e preparação. Preguiça e vergonha em tratar do assunto pode ser um banho de água fria e até levar relacionamentos ao fracasso. Um dia, para comemorar o orgasmo, pode ser um ótimo motivo para iniciar um papo quente sobre o assunto. Esse ano, 31 de julho cai num sábado!

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente