Compulsão sexual

Compulsão sexual

Pessoas viciadas em sexo, um comportamento que não acontece só na vida real. Famosos da TV e do cinema também já confessaram sofrer com o distúrbio. O ator David Duchovny, do seriado Californication, é um exemplo. Outro é o ator Michael Douglas, que assumiu ser uma vítima de compulsão sexual e até já passou por tratamento.

Mais comum nos homens do que nas mulheres, a compulsão sexual acontece quando a pessoa deixa de realizar suas tarefas normais e perde o controle do desejo, principalmente quando ela procura o sexo como recompensa. “A pessoa busca satisfazer-se compulsoriamente, sem êxito. Desta maneira existe um aumento da sensação de ansiedade, o que estimula a ter mais comportamentos masturbatórios ou procurar parceiros sexuais”, explica o psicólogo e pesquisador do Instituto Paulista de Sexualidade Diego Henrique Viviani.

A busca constante por novos companheiros expõe essa pessoa a comportamentos de risco. Ela pode ser infectada por doenças sexualmente transmissíveis ou mesmo ter uma gravidez inesperada e indesejada. “Desta forma prejudica também seus relacionamentos profissionais, sociais, amorosos e familiares”, esclarece Diego.

Um mau ensinamento sexual na infância pode ser uma das causas do comportamento compulsivo. “Isso significa que o ambiente proporciona o aprendizado. A família, os amigos, a interação com o mundo e o entorno seriam o eliciador da busca de relaxamento no comportamento sexual”, afirma o especialista. Ou seja, a pessoa aprende de forma errada que o sexo é a única maneira de diminuir a ansiedade, o medo ou a solidão, o que gera o comportamento compulsivo.

Por ser uma patologia psicológica é necessário o acompanhamento de um especialista, muitas vezes associado com um atendimento psiquiátrico. “Não existe uma fórmula exata que possa ser utilizada para o atendimento. O importante é encontrar alguém de confiança e especializado na área de sexualidade. Este profissional auxiliará a pessoa na transformação e adaptação do comportamento”, diz.

Em todo país também existem grupos de auxílio que seguem os conceitos dos Alcoólicos Anônimos. Nas unidades dos Dependentes de Amor e Sexo Anônimos (DASA), os pacientes trocam experiências com outras pessoas e aprendem a lidar com o mal.

DASA - (11) 3471-0168 ou (21) 3334-3203

Fonte - MBPress

Comente