Como manter o prazer na menopausa

Como manter o prazer na menopausa

O fim da ovulação costuma ser um momento delicado para a maioria das mulheres. As mudanças emocionais e orgânicas durante a menopausa também causam vários efeitos na cama, dessa forma muitas mulheres evitam o sexo por não sentirem o mesmo prazer de antes.

Para que a relação com o parceiro na cama não fique comprometida, o Dr. Henrique Oti Shinomata, ginecologista e obstetra, explica que a mulher precisa conhecer as limitações ocasionadas pela falta de estrógeno e buscar artifícios para continuar com uma vida sexual prazerosa. "As que sentiam prazer antes da menopausa não perdem completamente a excitação", comenta o especialista.

Quando se fala em mudanças orgânicas na menopausa a principal delas é a diminuição de estrógeno, o hormônio da mulher, resultando na diminuição da lubrificação e no afinamento da mucosa da vagina. "Além disso, ocorre uma alteração da flora vaginal, o que eleva o pH, agride a mucosa vaginal e propicia a entrada de infecções", lembra Dr. Henrique. "Por isso, é essencial consultar um ginecologista e seguir à risca as medidas de higiene, a fim de evitar possíveis transtornos."

Dr. Amaury Mendes Jr., ginecologista, sexólogo e professor e médico do Ambulatório de Sexologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), acrescenta que, com o ressecamento vaginal, o órgão não se distende para a penetração, causando dores. Esse fator afeta a mulher emocionalmente, que pode até evitar a relação por não sentir mais prazer.

"Nesse caso, os médicos costumam receitar um creme à base de hormônio para melhorar a lubrificação. Outra opção são os lubrificantes à base de água", orienta. E completa: "Quanto mais preliminares, mais facilmente a mulher se lubrifica. Mas para isso ela precisa se conhecer e saber do que gosta, até mesmo para orientar o parceiro."

O fim da ovulação pode comprometer também a libido, mas a excitação está ligada ao fator psicológico e ao relacionamento com parceiro. "Vale analisar como a mulher está enxergando seu próprio corpo e sua vida sexual. Nessa fase da vida é preciso identificar o que possivelmente está atrapalhando o apetite sexual e não somente ‘condenar’ a menopausa", defende Dr. Shinomata.

Outro problema gerado por essa fase é a síndrome do ninho vazio. "Os filhos crescem e vão embora e a mulher, quando não constrói uma sexualidade satisfatória ao longo da vida, percebe nessa hora que ‘não tem marido’. Se ela nunca teve uma vida sexual boa com o companheiro, não é agora que ela terá. Essa situação é bem frequente", revela Dr. Amaury.


As agruras da menopausa são enfrentadas de maneira menos dolorosa quando a mulher tem uma cabeça boa e gosta de sexo. "A parceira que se toca, se conhece, terá uma facilidade maior de manter o prazer. Agora se ela se autocensura, a situação só tende a piorar", diz Dr. Mendes Jr.

O especialista lembra ainda que o prazer da mulher depende do companheiro. Ele tem envelhecer com ela. Dr. Henrique é da mesma opinião. "É essencial que o parceiro mostre ‘tudo o que ele sabe’. Nessa fase da vida o desempenho dele é muito importante e acredito que ele tem que entender mais de menopausa que a mulher", conclui.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente