Acidentes no sexo oral: foi ruim para você?

Acidentes no sexo oral

As histórias de acidentes durante o sexo oral não são raras, tampouco mitos. Elas acontecem e você pode ser o próximo a sofrer com eles. Porém, não é nada que torne a prática insegura.

Força demais, descuido com os dentes ou com o aparelho ortodôntico são os acidentes mais comuns, embora o Dr. João Luis Borzino, médico clínico sexologista, terapeuta sexual e orientador sexual pelo ISEXP- Faculdade de Medicina do ABC-SBRASH, acredite que eles não são frequentes. "O medo de machucar é comum, mas os acidentes não, ainda bem!", brincou o especialista.

Para quem quer evitar ocorrências desagradáveis, o terapeuta sexual tem algumas dicas: "Pode se evitar perguntando, perdendo a vergonha e se permitindo aprender com o parceiro. É pior ainda quando os companheiros vão enfiando o rosto delas em suas regiões genitais".

A situação citada acima foi o que aconteceu com Thaís Mendonça, 23 anos. "Pela primeira e única vez fui para um motel com um cara que havia acabado de conhecer na balada. Estava tudo muito bom e ele me pediu para fazer sexo oral. Até aí tudo bem. O problema é que ele segurou a minha cabeça contra o pênis dele. Não deu outra. Vomitei todas as bebidas que havia tomado na balada. O tesão acabou ali. Ainda bem que eu nunca mais precisei olhar para a cara dele", revela Thaís.

Aparelhos ortodônticos também costumam causar problemas. Foi o que aconteceu com K. S.*, 29 anos.

"Tive um namorado com quem me dava muito bem na cama. Não perdíamos a oportunidade de uma aventura. Certo dia decidimos fazer amor na sauna do prédio onde ele morava. Durante o sexo oral o meu aparelho ortodôntico fixo ficou preso no pênis dele. Para conseguir retirar tive que puxar bem devagar. Ele sentiu dor e até sangrou um pouquinho", relatou.

K.S. ressalta que o comportamento de seu ex-namorado fez toda a diferença. "Na hora eu fiquei roxa de vergonha com a gafe, mas como ele é médico ginecologista, me disse que não era para eu ficar vermelha e manter o clima. Nós acabamos aproveitando a noite", finalizou.

Com Rebeca Carvalho, 32 anos, o acidente poderia ter sido muito mais grave. Ela confessou que sempre teve a fantasia de fazer sexo no carro em movimento. "Um belo dia Ricardo e eu decidimos que colocaríamos em prática esse desejo. Estávamos viajando para o litoral de São Paulo. Era fora de temporada, a estrada estava deserta, entendi que aquela era a minha chance", relatou Rebeca.

O casal não mediu as consequências. "Abri o zíper da calça dele e comecei a acariciá-lo. Pouco metros depois já estava fazendo oral nele. O que nós não esperávamos aconteceu. Ele perdeu o controle do carro por alguns segundos. Com o susto acabei mordendo o pênis dele, o que só diminuiu a concentração do rapaz. Felizmente foi apenas um susto, e um cortezinho no menino", se diverte ao lembrar Rebeca.

*A fonte solicitou anonimato


Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente