Pão francês com farinha de mandioca: você aprova?

Pão francês

Depois da polêmica que envolvia a venda do pãozinho por quilo, o governo resolveu acabar de vez com a turbulência do preço alto por conta do uso da farinha de trigo. A solução já anunciada é de adicionar amido de mandioca à farinha de trigo, afinal, o país ainda importa muito esse ingrediente.

O projeto foi aprovado no Congresso e falta ser sancionado pelo presidente Lula, mas a medida será obrigatória apenas no setor público. Em padarias, supermercados e outros estabelecimentos utiliza a farinha de mandioca quem quiser.

Já se fala que a farinha de mandioca (refinada, de raspa ou de fécula) pode alterar o gostinho do pão francês. Na opinião do chef Rodrigo Anunciato, o paladar fica até semelhante. “É possível apenas sentir um pouco da mandioca. O problema está na consistência, ele não fica tão crocante”, diz.

Diante dessa questão, vale dar uma olhada neste guia prático, com os melhores tipos de farinhas para suas receitas:

Farinha de trigo - usada em bolos e pães, em geral. Há farinhas que já vêm com fermento. Ao usá-las, não adicione mais fermento. A comum pode ser estocada de quatro a seis meses, enquanto que a farinha com fermento pode durar de dois a três meses. Conserve-a em lugar fresco e seco, dentro de sua própria embalagem.

Farinha de mandioca - feita com mandioca moída. Branca e fina, ela também é conhecida como farinha-da-terra ou farinha-seca. É companhia obrigatória para o feijão e o churrasco. Bastante usada para fazer farofa, pirão e paçoca.

Farinha de milho - preparada com grão de milho moído, ela é ótima para fazer cuscuz, farofas, tortillas e broas de milho.

Farinha de rosca - feita com pão amanhecido, torrado e moído. Bastante usada para gratinar.

Por Juliana Lopes

Comente