Vida de fotógrafa nas passarelas

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+
Fernanda Calfat

Fernanda Calfat

Exclusiva de muitos estilistas brasileiros e figurinha carimbada no Fashion Rio e São Paulo Fashion Week, a fotógrafa Fernanda Calfat se interessou pelo registro da moda por acaso, quando um jornalista amigo seu pediu para que ela fizesse a cobertura do Morumbi Fashion.

Desde então, ela conseguiu acrescentar em seu portfólio desfiles e eventos super requisitados, um deles é o London Fashion Week, trabalho que faz para a revista Italiana Fashion Trend e o estilista londrino Basso&Brooke, e ainda o Mercedes Benz Fashion Week, de Nova Iorque para o banco de imagens Getty Images. A carreira internacional começou no primeiro click para o desfile de Ralph Lauren, em NY, "pura emoção!". Em entrevista ao Vila Fashion, ela conta como funciona os bastidores dos desfiles e as modelos preferidas pelos profissionais das lentes.

Mulheres ainda sofrem resistência no concorrido PIT (lugar onde ficam os fotógrafos nos desfiles)?

Com certeza, o mundo ainda é bastante machista. Acham que mulheres não dão conta, mas damos sim. Somos minoria, mas damos conta do recado. É complicado quando temos família, filhos, marido, mas como sempre, nós mulheres, conseguimos coordenar tudo.

Desfile

Desfile Marc Jacobs/Primavera 2009

Você costuma chegar mais cedo para pegar um bom lugar?

No São Paulo Fashion Week eu tenho uma equipe toda montada que já estão acostumados com meu ritmo e trabalho. Eles se posicionam e me esperam para dar o toque final no posicionamento. Já nos internacionais tenho acesso livre, meu lugar fica marcado. Mas quando o desfile é externo, eu chego geralmente de duas a três horas antes, principalmente Marc Jacobs, Calvin Klein, Oscar de Larenta, Ralph Lauren, pois são muito concorridos.

Como isso funciona no SPFW?

Tem hierarquia no PIT: o fotógrafo que faz para grife tem preferência de lugar, depois vem o fotografo do evento e os outros profissionais vão se posicionando.

Como você busca a criatividade na passarela?

A criatividade vem do meu olhar, da minha sensibilidade. Esse é meu diferencial: meu enquadramento não tem corte e minhas fotos são fiéis ao meu click. Procuro buscar a arte que esta escondida nas passarelas.

E em catálogos, você acha que o trabalho do fotógrafo é mais completo? Por quê?

Sim, podemos colocar mais de nós mesmos nas imagens e na criação do catálogo. Somos mais artistas. Nas fotos para catálogos, você direciona as modelos, escolhe a luz, mesmo que geralmente as melhores fotos sejam ocasionais. Mas o desfile é emocionante, inesperado, você nunca sabe o que realmente vai acontecer. Um jogo de luz, um movimento a mais da modelo, um olhar ou um movimento da roupa.

Desfile Ralp Lauren

Desfile Ralp Lauren

Quais são as vantagens e desvantagens do digital na passarela?

Sem dúvida a rapidez do envio das imagens e quantidade grande em clicks sem ter que trocar cartão ou filme e perder algum look. A grande desvantagem, é que com o digital, você precisa trabalhar muito bem com a luz para conseguir um retrato fiel das cores que estão na passarela. Também perdemos o controle para onde nossas fotos vão. Elas ficam irregulares nas mão de outras pessoas. Elas cortam, reenquadram e mudam a cor sem nos avisar.


O trabalho das modelos ajuda muito no resultado das fotos?

Sim. As iniciantes são bem difíceis de clicar, porque não sabem se posicionar, andam com o pé torto e olham sempre para baixo. Elas precisam ouvir as dicas dos fotógrafos para o melhor desempenho de ambas as partes. Gisele Bundchen, sem dúvida é uma das melhores!

Por Juliana Lopes

  • Facebook
  • Pinterest
  • Twitter
  • Google+

Comente