Profissão estilista: Simone Nunes

Profissão estilista  Simone Nunes

Ela é estilista desde 2001, mas a ‘recente’ entrada no mundo da moda é inversamente proporcional a visibilidade que já conquistou. Há três anos, Simone Nunes foi listada como uma das mais importantes estilistas do mundo.

No início do ano, participará da sua 5ª edição do São Paulo Fashion Week, assinando a marca que leva o nome dela. Além disso, desenha para grifes internacionais como a Von Ziper, de óculos, a Nixon, de relógios, e a Element.

Simone gostava de desfiles desde pequena. E foi do sonho de infância que nasceu a vontade de estudar moda e trabalhar com a criação de produtos. A especialização em Milão, no Istituto Europeo di Design abriu os horizontes e o mercado para essa brasileira do interior de São Paulo. “Hoje tenho a possibilidade de fazer feiras em Paris, Milão e Tóquio. Sinto o mercado brasileiro de moda um pouco mais pertencente ao mundo”, diz.

A marca Simone Nunes atende ao público externo e interno, mas as principais clientes são, segundo ela mesma, mulheres entre 35 e 45 anos que gostam de um clássico revisitado, com feminilidade, qualidade e um pouco de ironia.

Os modelos bem inspirados nascem de uma didática pessoal de Simone. “Descobri que a prática pode aperfeiçoar a subjetividade da criação. A inspiração pode vir de um livro, de uma foto ou de uma pessoa interessante que vejo na rua”, conta. Ela confessa que às vezes fica horas olhando as pessoas num lugar qualquer, observando como se comportam e se vestem. Ela já misturou o grunge numa coleção, já abusou do geométrico, e transformou o escuro do inverno passado em leveza para esse verão.

Criações Simone Nunes

Para a estação do Sol, aposta em vestidos mais curtos e peças com cara e despojamento de praia - mas com muita elegância. “Nesse ambiente, as cores são o azul mar e o coral. Os materiais são leves, com malhas novas, como a de bambu, e as tecnológicas, com cara de natural”.

Sobre o preço de um look bem assinado, que muitas vezes ultrapassa o racional. Simone tem a solução. Diz que chic está na maneira como se monta o visual. “Com peças básicas é possível conseguir um resultado elegante. E se a dificuldade ainda permanecer, o preto sempre pode dar certo!”.

Otimista e ao mesmo tempo realista, Simone acredita na disposição e na vontade das marcas nacionais, mas acha que apenas o tempo, regado há muito trabalho, pode dar às marcas respeito - e receita. “Hoje podemos citar umas quatro nessa posição. E temos as grandes confecções, que não se destacam pela criação, mas são grandes potências financeiras. Quando tivermos mais marcas com esses dois poderes faremos realmente parte do todo mundial”, avalia.

Simone tem quatro lojas em São Paulo e uma no Rio de Janeiro. www.simonenunes.com.br

Fonte - MBPress

Comente