Vestidos para um verão prático

Em alguns lugares a chuva deu uma pequena trégua, permitindo que o sol e o calor antecipassem o que será o nosso verão e muita gente aproveitou para tirar os vestidos do armário.

Apesar das previsões de Li Edelkoort, um dos nomes mais respeitados na área de pesquisas de tendências de moda do mundo que afirmou que, em um futuro próximo, o vestido será abolido dos armários, há que se levar em conta que a peça é ótima para os dias mais quentes - prático, fresquinho, confortável e vai desde um passeio de fim de tarde no calçadão até a balada. Mas quais os melhores modelos?

Os vestidos longos voltam a aparecer. Nesse caso, a parte de cima pode ser mais decotada para compensar todo o tecido da saia (rodada para não comprometer a mobilidade). Tomara-que-caia e decote nadador são ótimos. Essa história de que longos criam uma ilusão achatada não passa de um mito, porque o modelo permite que os olhos corram sem que as pernas da pessoa sejam divididas em linhas horizontais, como quando se usa os modelos abaixo do joelho. O calçado ideal para esse tipo são as rasteirinhas.

Os vestidos bandage vêm aparecendo nos red carpet internacionais há um bom tempo e agora aparecem por aqui, mas esse modelo é perigoso. Por ser muito justo e agarrado ao corpo, as curvas são acentuadas - principalmente das pernas e do quadril - e a imagem pode ficar pesada e vulgar. Se você for do time das que precisam ganhar peso, aposte em um modelo que não seja muito decotado e combine-o com uma sandália mais fechada - para compensar o comprimento.

Os curtos e soltinhos, com recorte abaixo do busto são os mais recomendados, principalmente se estiver acima do peso, pois não marcam os quilinhos extras. Apenas tome cuidado com modelos com muitas pregas, franzidos, bolsos e outros detalhes na região da cintura, pois criam volume e, algumas vezes, a impressão de gravidez. O mais bacana é que pode ser usado com quase qualquer tipo de sapato: sapatilhas, rasteirinhas, sandálias de tiras finas ou modelos bem fechados, como as ankle boots. Se quiser alongar a silhueta, escolha os que mostram o peito do pé e não possuem tiras no tornozelo.

O chemisier ou tipo camisão é super versátil e é o mais adequado para ambientes profissionais. Além de cair bem quando usado com leggings e skinnies, ou shorts jeans nas horas vagas, pode acompanhar as mudanças climáticas quando trocamos os complementos. Fique atenta ao comprimento e à transparência do tecido - principalmente se for branco.

O wrap-dress, ou envelope, acompanha o corpo de quem o veste, suas linhas diagonais com amarração definem a cintura sem que a imagem seja achatada, o decote em V alonga o pescoço, criando a ilusão de rosto mais fino e camufla o excesso de peso e seios grandes. O modelo de Diane Von Furstenberg também transita por diversos lugares e ocasiões - sejam profissionais ou momentos de lazer.


Os vestidos são ideais para quem adora uma estampa, mas tem medo de usar por ter ouvido outro mito - aquele que proíbe estampa para pessoas grandes. Quando usamos a mesma estampa de cima à baixo, o olhar corre e não existe quebra da imagem em linhas horizontais - como aconteceria com uma calça lisa e blusa estampada, por exemplo. A precaução é escolher um desenho proporcional ao seu tamanho, com o cuidado na escolha das cores. Estampas pequenas ficam ótimas para quem é miúda. Os tons e o contraste das cores também são importantes, escolha cores mais sóbrias e próximas para que a estampa não funcione como amplificadora - geometrias azul marinho em fundo grafite, por exemplo.

Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente