Uma análise do que se veste em cruzeiros

Recentemente, estive a bordo em meu primeiro cruzeiro. E confesso que, no que diz respeito às roupas, a realidade foi muito diferente do que havia imaginado.

Com a redução de custos e facilitação das formas de pagamentos, esse tipo de viagem se tornou muito mais popular. O jeito de se vestir e se comportar em sociedade também mudou muito e, por isso, obviamente, não esperava figurinos como os vistos no filme "Tarde demais para esquecer". Mas esperava um pouco mais de elegância, ou pelo menos bom senso.

Eu sei que a temporada já está acabando, mas não é tarde para deixar algumas dicas para quem vai embarcar agora, ou para quem já está planejando o cruzeiro do ano que vem.

Seguem algumas considerações:

Sutiã é uma peça íntima. E, por íntima, quer dizer que não deve ser trazida à público. Para isso foi inventado o biquini. Aliás, maiôs e uma saída de banho são, à princípio, tudo que uma pessoa precisa usar se pretende passar todo o dia à beira da piscina. Porém, é bom se prevenir para o caso do clima mudar, fazendo com que se passe mais tempo nas áreas internas, que podem ser bem frias.

Sem contar que nos dias em que o navio fica em alto mar, venta bastante e, quando as viagens são de travessia, a piscina fica apenas para os mais corajosos e menos friorentos.

Saltos altos e finos são muito bem vindos para os eventos noturnos, principalmente para a noite do comandante. Já para serem usados ao longo do dia, não.

Falando em noite do comandante, foi-se o tempo em que se exigia que os homens usassem smokings e as mulheres vestissem longos cheios de glamour - acho até um exagero pelo que a noite oferece - mas isso não justifica itens como bota de cano longo prateada e sandálias de salto de cortiça como parte do figurino... Ou calças jeans com rasgos e lavagens variadas!

Acredito que não preciso entrar no mérito da proporção da altura da saia x idade x corpo. Isso não vale apenas para quem vai viajar de navio, mas para qualquer pessoa, não é verdade?!


No mais, basta preparar uma malinha que seja proporcional ao seu tempo de viagem, com peças coordenáveis entre si, e se divertir bastante!

Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente