Top 10: mitos da aparência

Existem algumas "regrinhas" que são uma mão na roda na hora de se arrumar pois, além de facilitar a vida, evitam escolhas equivocadas. No entanto, existem outras que me atacam o estômago toda vez que ouço. E é justamente sobre essas que eu sinto a necessidade de falar hoje!

Como eu adoro uma listinha, não perdi a oportunidade de fazer um top 10: Mitos da aparência!

1- Preto emagrece. Branco engorda.

O claro dá uma sensação de amplitude enquanto o escuro ajuda a conquistar o efeito oposto, mas no que diz respeito a escolha de uma roupa, nem sempre essa máxima é verdadeira. Não adianta se vestir de preto da cabeça aos pés se a roupa for toda fechada, com gola alta, o tecido for brilhoso e texturizado, além de ter linhas arredondadas ou amplas demais que "deformem" o corpo.

2- Preto vai bem com tudo e com todos

Já que estamos falando de preto, aproveito o gancho para abordar este outro mito. Existe uma coisinha chamada "teoria da coloração pessoal" sobre a qual eu já contei um pouco para vocês e que explica bem isso: existem cores que ficam muito bem e cores que desfavorecem nossa aparência. São quatro os tipos de cartelas (inspiradas nas estações do ano) em que as pessoas podem ser divididas. A maioria das cores é encontrada nas quatro, cada uma na sua devida tonalidade. Porém o preto, assim como o branco puríssimo, só é encontrado em uma delas: a de inverno. Para os outros três tipos de pessoas, ele pode deixar um ar abatido e criar um impacto maior que quem o veste - e a gente nunca quer que um detalhe da roupa se sobressaia mais que nós mesmos, e sim que o conjunto fique todo harmonioso. Sem contar que o preto pode transmitir uma mensagem opressora ou depressiva e que ele fica muito melhor quando combinado com branco ou com cores que tenham preto na composição - tipo vinho, verdes mais escuros e cores que parecem "sombreadas".

3- Bolsa, sapato e cinto - precisa ou não combinar?

Essa aí divide opiniões. Há quem diga que precisa combinar, enquanto outros dizem que é cafona. Tudo depende. Do material, da textura, da cor, da ocasião e do contexto. Não é proibido combinar acessórios, pois isso pode ser um bom contraponto para um look já repleto de informações, da mesma forma que a diferença entre as peças pode deixar o resultado muito mais criativo.

4- Dourado e prateado não se misturam

Essa vem dos tempos dos seus ancestrais, hein? Mas estamos em 2010, quase 2011. Alguns até acreditam que o mundo como conhecemos está prestes a acabar e você está aí se prendendo a conceitos de séculos passados? Assim como o trio bolsa-cinto-sapato, não é errado combiná-los, mas é mais criativo experimentar novas combinações!

5- Cabelo curto "engorda"

Cabelo curto expõe mais o rosto e as formas dele, mas também faz com que a atenção se volte para a parte de cima do corpo, alonga o pescoço exposto e, consequentemente, a silhueta. Basta escolher um corte que se adeque ao seu formato de rosto e ser muito feliz!

6- Gordinha não pode usar estampa

Também já falei disso por aqui! A estampa deve ser proporcional ao corpo da pessoa: se for muito grande, vai ampliar, assim como se for pequena demais! Sem contar que um vestido estampado alonga muito mais do que um conjunto de saia e blusa em cores contrastantes, isso acontece porque o olhar não é interrompido por uma linha horizontal criada na junção de peças diferentes.

7- Baixinha não pode usar longo

A mesma coisa do exemplo do vestido estampado: se é longo, não tem linha horizontal "quebrando" a imagem, portanto o olhar corre e a pessoa parece mais alta - e magra! É melhor do que usar um longuete, por exemplo, que corta a imagem bem no meio da canela destacando só um pedacinho de perna.

8- Sapato sem salto não é elegante

É dificil escolher a minha favorita nesse top 10, mas essa, com certeza, figura entre as três primeiras! Inclusive é outro tema que já rendeu coluna. Sobre o assunto, digo apenas o seguinte: lembrem-se da Audrey Hepburn, um dos maiores ícones de elegância, que vivia de sapatilhas e pensem que é muito mais deselegante não saber andar com o sapato que calça, ou não aguentar o que machuca os pés, do que aparentar conforto numa sapatilha tão bonita quanto.

9- Roupa de marca/cara = elegante e estilosa

Mais uma disputando os três primeiros lugares. Seguindo a linha da última coluna: não é porque está na moda que é bonito ou fica bem em você, aviso que não é porque tem um logotipo que agrega status estampado na etiqueta e custou mais do que o salário de um trabalhador de classe média que, instantaneamente, este item vai deixá-la bem vestida e elegante. Fosse esse o caso, não existiriam tantas listas de celebridades mal vestidas. Estilo não se compra, se desenvolve - e independe de budget e local de origem!

10- Alfaiataria só pode ser usada no escritório

O mundo seria tão mais elegante se esse mito fosse deixado de lado! Mesmo porque, por alfaiataria não me refiro apenas ao bom e velho terninho - que pode muito bem ser desconjuntado e coordenado com uma camiseta confortável e um all star, ou com um vestidinho mais moderno. Hoje é possível encontrar peças com essas modelagens em tecidos variados que permitem o trânsito em ambientes mais informais, como em jeans e moleton!


A lista poderia ser maior, mas creio que esses dez itens foram suficientes para ilustrar o quanto velhos tabus podem nos impedir de atingir resultados mais acertados. Mesmo aquelas regrinhas-mão-na-roda que eu citei no começo deste texto devem ser questionadas! Não deixe de experimentar. Se não ficar bom, troque-se e tente novamente!

Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente