SPFW: looks despojados, tribais e clássicos

SPFW  Fause Haten

Desfile Fause Haten

Muita tietagem e música erudita na abertura da 26ª edição do São Paulo Fashion Week, que começou este fim de semana na Bienal do Ibirapuera.

Ao som do clássico “O Guarani”, de Carlos Gomes, muitas etnias durante desfile de Fause Haten, tudo inspirado nas roupas típicas da África, Índia, e América do Sul. Durante o processo de criação, o estilista imaginou uma tribo nômade entrando na passarela e misturou muitos marrons, vinhos, roxos, com formas sufocantes, próximas ao corpo.

Além disso usou vermelhos e formas arquitetônicas, com muito volume e corações, uma referência a Marylin Monroe. E ainda tons mais românticos, desde os champanhes, beges e brancos.

A segunda marca a entrar na passarela foi a Osklen. Muito cinza e preto em um desfile mais despojado, com moletons e óculos de nerds. Já no desfile de Mario Queiroz guerreiros urbanos entre espelhos, tecidos e materiais pesados e sobretudos largos para a moda masculina.

SPFW Osklen

Desfile Osklen (Fernanda Calfat)

A Cori optou pela elegância e sensualidade com estampas e tecidos mais clássicos para a mulher brasileira. Além do já consagrado cinza e preto, cores vibrantes (azul, verde, amarelo), em calças e casacos. Para fechar a noite, a marca Colcci trouxe a top Gisele Bündchen, com um visual bastante preto e branco, muitas calças justas com cintura alta e vestidos balonês.

Por Juliana Lopes

Comente