Moda verão para gordinhas

Moda verão para gordinhas

Andrea Boschim no desfile da La Mafê/Foto Hilton Costa.

Cada vez mais a moda prova que é democrática. Se antes os tamanhos acima do 46 ficavam restritos a peças soltas, sem muita estrutura, com estampas pouco criativas, agora essa realidade é bastante diferente. Estilistas e marcas estão de olho nesse mercado e fazem peças exclusivas para mulheres gordinhas. A temporada de primavera/verão foi apresentada na segunda edição do Fashion Weekend Plus Size, evento realizado em São Paulo neste fim de semana e organizado pelas modelos Renata Poskus e Andrea Boschim.

"Notamos mais investimentos por parte de confecções neste segmento GG. Algumas grifes participantes, como Loony Jeans e Dardak, por exemplo, são fabricantes de tamanhos menores, mas estão investindo em tecnologia para maiores", aponta Renata.

Estreante na passarela da FWPS, a primeira coleção da marca La Mafê aposta em um verão com vestidos transpassados, também com cintura marcada, tachinhas nos ombros e ao longo das peças, com inspiração nos estilos navy e militar. Conforme Mariana Gandolfo Varuzzi, as estilistas criam as peças a partir do número 48. "Reduzimos e ampliamos a modelagem, sempre preocupadas com a proporção e o caimento perfeito das peças. Perguntamos a elas o que gostariam de mostrar e esconder, assim fazemos as adaptações necessárias", explica uma das criadoras da marca.

Já a cearense Eveiza, que há oito anos veste mulheres plus size, busca inspiração na moda de Londres, Paris e Milão. "Antes de criar as coleções ficamos batendo perna para ver o que está nas ruas lá fora, em mulheres que vestem tamanhos grandes ou não. Chegamos aqui e adaptamos para GG", explica a estilista Eveline Albuquerque. Para o próximo verão, ela escolheu estampas e detalhes náuticos, babados e vestidos leve com movimento, alguns com estampas exclusivas e sempre em tecidos com elastano para dar mais conforto e modelar o corpo. "A partir do número 50 não fazemos nada sem manga. Todas as peças são para usar com sutiã, diz a estilista que também aposta nas listras de diferentes formas e modelagem mais sequinha. Ela acredita que gordinhas podem sim usá-las caso as peças sejam bem planejadas.

[galeria]

Mara Machado, da Exuberance, que está em Santa Catarina e tem vários representantes espalhados pelo Brasil, também optou pelo navy com um leve toque de romantismo - peças com acessórios integrados, por sinal uma opção que as mulheres mais gordinhas gostam bastante.

Segundo a estilista, a idéia é trazer para os dias mais quentes cinturas marcadas e peças um pouco mais ajustadas. "Escolhi o tema Divas e trouxe bastante feminilidade. Este ano apostei nas listras e nos macacões, que já era um pedido delas", diz Mara que trabalha até o número 52. Durante a entrevista para o Vila Fashion, ela contou da falta de modelos plus size no mercado, entretanto, ela diz que é algo crescente no Sul do país e cita Jovianny Sierascky, 27, como um dos destaques.

Assim como Mayara Russi, ela começou por acaso, quando um colega tirou fotos que mais tarde foram parar em uma agência. Depois disso vários trabalhos começaram a aparecer, primeiro para catálogos de malharia, depois para provas de roupas. Após algums meses, a carreira deu tão certo que ela abandonou o trabalho de design de interiores para participar de campanhas e desfiles em São Paulo.

"Lá em Blumenau era um trabalho atrás do outro, porque só tinha eu de modelo. Na capital paulista também recebi várias propostas e por isso resolvi me mudar para cá de vez. Esse mês, por exemplo, já foram mais de 10 trabalhos. Em uma diária de desfile chego a ganhar R$1500. Provas de roupa, por exemplo, R$150", diz a modelo que veste tamanho 48 e já participou da primeira edição da FWPS. Jovianny, que faz exames médicos periodicamente e pratica atividade física, acredita que o seu corpo mais proporcional é o motivo dela ser chamada para vários trabalhos.

Moda verão para gordinhas

Jovyane na passarela da Exuberance. Foto/Hilton Costa

Durante a FWPS, Viviane Gonçalvez, da Flight Level, também apresentou a tendência navy e ainda usou a releitura das pin ups brasileiras. "Acreditamos que o plus size não deve ser careta, por isso o cuidado com silhueta e o caimento que valoriza nossa cliente. Trabalhamos com malharia, o que é muito bom, pois o tecido tem elasticidade, ao contrario do tecido plano que nos limita muito na construção de uma peça", explica. A estilista usou na cartela de cores as nuances de tons azuis para lembrar o frescor do balneário brasileiro. Viviane faz coleções até no número G3 e usa a opinião das próprias clientes no seu processo criativo.

Já a Shine mostrou peças para as gordinhas que gostam de estampas. Blusas fluidas com prints diferentes, alguns abstratos, inspirados em bichos ou em florais, além do poá. Na cartela de cores, tons neutros e terrosos, nude e cores vibrantes, tudo com acabamentos em drapeados e recortes que remetem aos patchworks. Além disso, a FWPS ainda mostrou que as gordinhas também podem sir sair por aí com jeans. Jegging e legging, além de modelos em cigarretes e lavagens diferentes estiveram nas coleções da Dardak e da Loony, marcas que se preocupam em adaptar o jeans ao corpo da mulher gordinha brasileira.


Maiôs e Lingerie

Encarar uma passarela de lingerie é para poucas. As modelos da Ness mostraram elegância e atitude na coleção de verão. A confecção tem calcinhas e sutiãs dos tamanhos 46 ao 54 e procura manter conforto, beleza e ousadia para todos os tipos de corpo. Para o dia-a-dia, a Ness usou cotton, microfibra estampada e estampas em flores e poá. E incluiu sensualidade com tules, bordados em cetim, além de aplicação de bijuterias. Nos biquínis e maiôs, a Acqua Luna não abriu mão do bojo, que serve para modelar os seios. As peças tem boa sustentação e vários detalhes que enriquecem ainda mais a moda plus size.

Por Juliana Lopes

Comente