Moda fail: campanhas e produtos que não pegaram bem

Anúncios e vendas com mensagens equivocadas que geram muita polêmica
campanhas de moda fail

A campanha da Donna Karan foi considerada equivocada por contrastar o glamour da grife com a pobreza dos haitianos - foto: reprodução

Quem ficou surpreso com as mensagens bem duvidosas nas camisas da Huck – linha criada pelo apresentador Luciano Huck – talvez nem imagine o quanto é comum algumas marcas criarem grandes polêmicas em suas campanhas de moda ou venda de produtos.

Grifes como Benetton, Abercrombie, Gucci, Calvin Klein entre outras bem famosas, já pegaram bem pesado com mensagens controversas e politicamente incorretas e que abusam da conotação sexual – muitas vezes pecando ao trazer cenas de preconceito, racismo, estupro ou uso de drogas, por exemplo.


São tantas propagandas de moda fail, que selecionamos apenas algumas para você ter ideia de como algumas empresas perdem a noção no intuito de vender mais e mais produtos. Dá só uma olhada!

Dolce & Gabbana

campanhas de moda fail

foto: reprodução

Um anúncio de 2007 está provocando burburinho porque nele aparece uma modelo deitada, enquanto um homem segura seu braço e outros três modelos observam a situação. Não é a primeira vez que uma propaganda de moda sugere uma cena de estupro.

Por que só agora? Recentemente os estilistas da grife, Domenico Dolce e Stefano Gabbana, deram uma declaração polêmica contra a adoção gay. ''Nós somos contrários à adoção gay. A única família é a tradicional. Nada de química ou barriga de aluguel: a vida tem um curso natural, há coisas que não podem ser mudadas'', afirmaram. 

A publicitária Kelly Cutrone, muito conhecida no mundo da moda, disse que a cena simula uma Gang Bang, ou seja, quando uma pessoa mantém relações sexuais com várias pessoas ao mesmo tempo. “Pelo visto simular uma Gang Bang, tudo bem, mas a fertilização in vitro e casamentos do mesmo sexo não. A vida de acordo com Dolce & Gabbana”, escreveu no Twitter. 

T.J. Maxx

campanhas de moda fail

foto: reprodução

A loja norte-americana T.J. Maxx foi denunciada recentemente por vender uma camiseta que incentiva o suicídio. A peça em questão é uma t-shirt com a estampa de uma corda amarrada em um nó, com a frase Hang Loose escrita, que significa algo como “Não se preocupe”. Depois que a foto da camiseta caiu na rede e gerou a maior polêmica, a loja tirou a peça das araras e a marca de surf Tavik, responsável pela confecção da blusa parou de vendê-la em seu site. 

Ebay/Etsy

campanhas de moda fail

foto: reprodução

Uma camisa que estava sendo vendida nos sites do Ebay e do Etsy trazia na estampa a carta suicida do cantor Kurt Cobain, líder da banda Nirvana, que morreu aos 27 anos. A comercialização do item provocou polêmica e os sites retiraram o produto para venda. No caso da Etsy, a principal distribuídora era a marca SpiceTeen, de Bangkok. Já no eBay o usuário foi identificado como Nuchyk.

O porta-voz so Etsy explicou que todos os usuários estão proibidos de vender produtos que "promovem, glorificam e apoiam violência ou danos a própria pessoa ou terceiros".Já o eBay comentou que "a empresa concluiu que a camisa viola a política de Produtos Ofensivos, que inclui a promoção de tragédia humana".

Victoria Beckham

campanhas de moda fail

foto: reprodução

E parece que a tendência atual é mesmo gerar polêmica. A campanha da nova coleção de inverno de Victoria Beckham traz que modelos fingem estar mortas. O ensaio foi fotografado por Colin Dogson, que quis recriar o estilo heroin chic, que ficou famoso nos anos 90 e que se caracteriza pela palidez das modelos nas fotografias. No entanto, a ideia não parece ter sido bem recebida e há quem a apelide de “assustadora”.

Duloren

campanhas de moda fail

foto: reprodução

A Duloren sempre gostou de uma polêmica em suas propagandas.  Uma das que mais gerou repercussão foi a que trazia a ocupação policial da favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, como tema. A campanha foi muito criticada por colocar em evidência um tema delicado e usar o recurso do choque com o objetivo de chamar a atenção para a marca, o que acaba vulgarizando a imagem da empresa anunciante.

Por Jessica Moraes

Comente

Assuntos relacionados: moda campanhas