Luxo, moda ou produto descartável ?

Muito tem se falado que a moda ficou mais democrática e que, tanto homens quanto mulheres, agora tem muito mais opções para escolher a maneira de se vestir.

Ouve-se muito que hoje o mundo perdeu o glamour, que bonitas mesmo eram as pessoas que desfilavam elegância e classe independente da conta bancária na década de cinqüenta, todas muito arrumadinhas. Naquele tempo homens não saiam a noite sem gravata e sapatos com solas emborrachadas eram usados exclusivamente para praticar esportes.

Realmente a indústria da moda nunca foi tão versátil, democrática e abundante, tanto em ofertas de produtos quanto de conceitos. Mas também é fato que, andando nas ruas em qualquer parte do planeta, tornou-se muito mais difícil perceber gente genuinamente elegante ou pelo menos razoavelmente arrumada.

Aí chovem e-mails de pessoas perguntando sobre a denominação dos trajes quando recebem convites com pedidos esdrúxulos como “Traje esporte condigno” “Esporte dramático” etc...

O fato é que apesar de tanta informação e acesso as pessoas parecem mais perdidas do que nunca no momento de escolher como se apresentar visualmente ao mundo.

Muita novidade em muito pouco tempo. Com as novas tecnologias surgem materiais diferentes o tempo todo: rendas sintéticas, tecidos de micro fibra que não amassam, malhas finíssimas para atletas... Uma festa! Mas falta ao consumidor a percepção de que, nem tudo o que é novidade é bom (ou pelo menos adequado a ele e ao seu modo de vida). É preciso fazer uma triagem cuidadosa e questionar as novidades antes de aderir a elas indiscriminadamente.

Grifes: podem ser um luxo ou um lixo, não se iluda: nada que é fabricado em série e vendido em milhares de lojas iguaizinhas no mundo inteiro pode ser considerado um artigo de luxo. Uma quinquilharia cara talvez. De boa qualidade muitas vezes. Mas apenas isso. Ou, pode ser apenas mais um produto em série fabricado para lhe dar a ilusão de que você está consumindo qualidade e, com isso se tornando uma pessoa mais elegante e inserida...em que mesmo?

Pois é. São tantos os exemplos desses produtos de pseudo grifes de luxo que surgem que nem temos tempo de lembrar que luxo é algo raro, único, difícil de se encontrar e desfrutar - daí ser tão especial.

Jornalista, escritora e palestrante, Claudia Matarazzo é autora de vários livros sobre etiqueta e comportamento: “Visual, uma questão pessoal”, “Negócios Negócios - Etiqueta faz parte”, “Amante Elegante - Um Guia de Etiqueta a Dois”, "Casamento sem Frescura", "net.com.classe", "Beleza 10", "Case e Arrase - um guia para seu grande dia", "Gafe não é Pecado" e "Etiqueta sem Frescura"

Comente