Jaquetas perfeitas. Perfecto.

Jaquetas Pefecto

Desfile Maria Bonita Extra (foto Arquivo MBPress)

Lembra daquela jaqueta de couro, com cinto na barra e fechamento de zíper, com a gola em diagonal na altura da lapela? Pois é, elas estão com tudo para o próximo inverno. Conhecida como jaqueta perfecto - em homenagem ao seu criador, John Perfecto - inspira rebeldia e rock n’ roll, mas não significa que você precise ser punk ou curta alta velocidade sobre duas rodas para usá-la. Nos últimos desfiles que apresentaram as coleções de inverno em Nova York, elas aparecem em releituras, transformadas em coletes e vestidos.

Por aqui, basta olhar a interpretações deste ano de Victor Dzenk, coloridíssima, ou de Maria Bonita Extra, no inverno passado, com as jaquetas que viraram vestidos. Interpretações de outros invernos e desse dão a entender que a perfecto não perdeu a majestade.

“Ela surge com força, remodelada para atender a diversos estilos. Arredondada e feminina para um look dentro da moda, sem perder glamour. Ganha leveza e ainda mais feminilidade no chamois, que fica super bem para o dia-a-dia com vestidos leves e saias delicadas”, diz Ângela Valiera, coordenadora da Escola de Empreendedores - Moda e Negócios e especialista em moda e comunicação.

Segundo ela, a versão curta do modelo é apenas para quem tem o corpo e adora as calças de cós alto, tanto em jeans, para um look rock, quanto em alfaiataria para uma composição clássica. Transformada em vestido ganha ar urbano prático.


Há quem diga que perfecto nasceu mesmo para proteger os motociclistas americanos, na década de 20, e tenha entrado em evidência na segunda Guerra Mundial, quando usada pelos membros da força área americana, fazendo moda entre os rapazes que voltavam do combate. Na metade do século passado, Marlon Brando inspirou o mundo, no filme “Wild One”, vestindo, é claro, uma perfecto, com calça jeans de barra dobrada. Na mesma época, o rock n' roll aprendeu como fazer moda. Desde então, as jaquetas desse tipo atravessam décadas conquistando todos os estilos.

Ainda assim, o modelo carrega, é claro, o look da “bad attitude”, do rock e do rebelde. Mas é só a primeira impressão. O que fica, com ela, é o ar da atitude (não importa se boa ou má) e a certeza de que combina com tudo. “A jaqueta em si está mais ligada ao estilo punk. Mas qualquer um pode usá-la. Tudo vai depender de como vai coordenar as peças do visual. Nós vemos muitas peças que são iguais e que, combinadas a sua maneira, as deixam únicas”, diz a professora de estilo da Sigbol Fashion, Juliana Verri.

Segundo ela, a perfecto pode ser usada com calças jeans, regatas e blusinhas brancas ou coloridas, com peças em xadrez, sobrepondo com vestidos mais esportivos (soltinhos os justos), até estampas em geral. Fica bem de sapatos e sandálias de salto alto - que levam à um estilo mais sexy - além de sapatos fechados, calças skinny e as pantalonas. “Para quem não quer ficar muito rock n’ roll, a idéia é combinar com peças de outros estilos”, diz Juliana. “No modelo tradicional, essa jaqueta garante o toque de irreverência, principalmente quando usada à noite sobre vestidos de tecidos nobres, pois trabalha a composição de peças com estilos opostos - só para quem tem personalidade”, finaliza Angela.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente