Fernanda Yamamoto adianta a sua coleção de estreia na SPFW

Fernanda Yamamoto adianta a sua coleção de estreia

Foto/Divulgação

Se em São Paulo a Casa de Criadores tem a finalidade de revelar novos talentos é no Rio Moda Hype que muitos estilistas mostram suas coleções para o Rio de Janeiro e todo país. Assim aconteceu com Fernanda Yamamoto. Depois de apresentar suas coleções no evento da capital maravilhosa que antecede as semanas de moda, em quatro edições, ela passou de estreante em passarelas para o line-up oficial. Primeiro no Fashion Rio, na temporada outono/inverno 2010. E agora na SPFW, com estreia marcada para o dia 14.

Se não bastasse o trabalho de criação das coleções, a estilista usa o conhecimento em administração de empresas - Fernanda se formou pela Fundação Getúlio Vargas - no comando do seu próprio negócio, na verdade, o projeto FY Convida, espaço de 240 metros quadrados localizado na Vila Madalena, em São Paulo, que comercializa coleções de novos estilistas de todo o Brasil, além de promover eventos e exposições de arte e design. "Acho que a moda abriu a minha mente de tal maneira que só poderia continuar nela. Quem trabalha no ramo não distingue o pessoal do profissional, a maioria dos meus amigos trabalha comigo", diz.

Antes de embarcar de vez para o mundo fashion, Fernanda trabalhou como estagiária em marcas como Tufi Duek e Calvin Klein, além de desenvolver produtos com Alexandre Herchcovitch e ser assistente de Jum Nakao em diversos projetos. Dias antes de pisar na SPFW, ela falou sobre a expectativa para o desfile e, claro, também revelou alguns detalhes de como será o seu verão 2011.

O que muda na hora de pensar e montar um desfile para a SPFW?

Sem dúvida a responsabilidade é muito maior. Além de aumentar a equipe, conto com a ajuda de pessoas que amadureceram comigo as quais eu confio muito. Estar lá abre muitos caminhos para que a marca seja mais conhecida no mercado e tenha visibilidade.

Roupas confortáveis e muitas forma geométricas, assim podemos definir as suas criações?

De certa forma sim. Não gosto muito de seguir tendências de fora ou do que vem dos bureaux de estilo. O meu trabalho reflete muito do meu momento, do que acontece comigo, é bastante autoral. Pouco dele é do que está nas ruas. Desta vez busquei coisas novas para deixar a coleção mais sofisticada e elaborada. Ela terá novos tecidos, como a gaze de seda, bordados, mas o DNA da marca permanece. Para isso é preciso muita dedicação e estudo, pois a inspiração não vem do nada. Confesso que estou super ansiosa para o dia 14, pois sei da responsabilidade, espero que tudo dê certo.

Nesta coleção, o olhar se da estilista se voltou para São Paulo, mas sob uma perspectiva diferente. A inspiração vem de fotos aéreas do centro. As ruas e calçadas estarão em texturas. Já as formas geométricas veem dos desenhos dos prédios, ruas e viadutos. A única estampa da coleção produzida é inspirada no olhar da cidade visto de cima, com os reflexos das nuvens nos prédios.

Mais uma vez, a estilista optou pelo trabalho artesanal para produzir materiais em fibras naturais como seda, crepe e viscose de bambu, que aparece em algumas peças de alfaiataria mais estruturadas. Mas é a gaze de seda que vai brilhar na coleção em coletes, shorts, vestidos e outras peças combinadas com hot pants.


O tecido ganha cor e textura graças as variadas técnicas de bordado, lixamento e feltragem, esse última consiste na inserção de fios de lã na fibra da gaze por meio de fricção e água quente. Quanto mais você usa o tecido, melhor fica a sua textura. E para combinar Fernanda escolheu colares de Rosely Kasumi, cheios de formas geométricas e feitos em materiais variados, entre eles, seda estampada, lã, feltro, módulos de areia e acrílico.

Por Juliana Lopes

Comente