Evolução da vestimenta

evolucao de vestimenta

A evolução da vestimenta acompanhou a evolução da humanidade. Foi na Mesopotâmia e Egito, a partir da descoberta das fibras naturais, como lã, linho e seda é que a roupa passou a ter características de ornamento, deixando de ser somente item de proteção.

Na Roma Antiga, a roupa já conferia identidade, o excesso de tecido caracterizava as pessoas de prestígio e poder, como os trajes reais, dos sacerdotes e as vestes dos guerreiros. Já na Idade Média, lã, algodão e linho eram utilizados, mas a seda foi o principal tecido do período, o que desenvolveu sua produção.

A indústria têxtil deu um grande salto na época do Renascimento. Surgem as saias armadas, corpete e rufo (gola armada de renda). O algodão passa a ser usado em roupas da alta sociedade. O período Barroco, com os padrões sociais da Corte de Versalhes, regras de etiqueta, bons modos e boas maneiras, influenciam a moda colocando a renda em evidência e impondo o estilo de vestir para o resto da Europa.

O conceito de alta-costura surge na Era Vitoriana, nas mãos de Charles Frederick Worth. São descobertas as primeiras fibras químicas artificiais: acetato (1869) e viscose (1905)

A encantadora Belle Époque inaugura o torturante uso do espartilho, afunilando a cintura feminina e marcando época. Em 1907 surge o sutiã.

Nos anos 10 predominam os tons escuros, com saias e vestidos na altura das canelas. Cintura baixa, tecidos em seda, volume cilíndrico, cabelo curto e o clássico chapéu cloche são marcas dos anos 20. O cetim deu o tom da década de 30, assim como o corte em viés, o uso do algodão e casimira.

Por causa da Segunda Guerra Mundial, nos anos 40 os tecidos foram racionados, busca-se então matérias-primas alternativas como viscose e rayon. Surge o tweed e no Sul da França, o biquíni. Christian Dior resgata a feminilidade com o New Look.

Mas o apogeu da alta-costura acontece na década de 50, luxo e glamour são conceitos da época explorados na moda. Expressão social e política ficam evidentes na moda dos anos 60.

Grande momento do prêt-a-porter, o movimento hippie chama atenção, e chega a vez da minissaia...

Os anos 70 democratizam a moda, jeans, a boca-de-sino e no final da década, muito brilho e cores vivas por influência das discotecas.

As “tribos de moda” marcam os anos 80, a indústria têxtil dá um grande passo com a invenção da microfibra. Nos anos 90 são múltiplas as referências e os tecidos “inteligentes” viram a bola da vez.

Já nos anos 2000 estamos presenciando, entre outros marcos, o apelo ecológico nos tecidos com o surgimento das fibras de bambu e soja.

Fonte - Glossário de Moda Lycra / Invista

Por Karina Conde

Comente