Cintura alta é tendência de verão - Saiba como usar

Veja as dicas das blogueiras Déborah Klug e Helô Paganelli, do "Cadê Meu Blush"
cintura alta como usar

Foto - Divulgação/Posthaus

Sucesso nos anos 1970, a cintura alta promete arrasar neste Verão. A tendência retrô aparece moderníssima na próxima estação e será uma das maiores apostas de quem quer arrasar no look. Seja em saia, calça, bermuda ou short, a peça mais acinturada valoriza o corpo e deixa o visual ultra moderno. 

Se você curte a tendência mas não sabe com o que usar cada tipo de peça, confira algumas dicas do Guia de Estilo Posthaus, que conta com sugestões de Déborah Klug e Helô Paganelli, do blog Cadê Meu Blush.


Vamos lá!

Short cintura alta

cintura alta como usar

Foto - Reprodução/lindizzima

Quem quer um visual bem despojado para usar num passeio, no shopping ou no almoço com as amigas pode optar por um modelo em jeans. Para garantir todo o conforto, uma blusa mais soltinha como regata ou até mesmo os modelos em cropped são a escolha ideal.

“Nos pés um salto Anabela é perfeito, pois dá aquela alongada nas pernas”, conta Helô. Mas se a ideia é investir nas sobreposições, a combinação regatinha justa com colete é sucesso garantido! Para harmonizar, a dica é combinar cores e estampas e ficar atenta aos detalhes. “Um short destroyed deixa tudo mais descontraído”, acrescenta Déborah.

Calça cintura alta

cintura alta como usar

Foto - Reprodução/sosmodaon

É impossível não arrasar ao transformar esta peça no ponto de foco do look. Charmosa, garante conforto e elegância para diversas ocasiões. Helô indica os modelos em denim para mesclar com blusinhas, acessórios e calçados que contrastem com o visual. 

“Este tom de azul fica lindo com cores vivas como o pink. Gosto de usar blusas mais soltinhas e que garantem um caimento especial”, conta. Para dar ainda mais charme, Déborah sugere optar por blusinhas com decotes especiais, como o tomara que caia. “Superfeminino, é uma ótima opção para os looks do dia a dia. Para completar, um salto valoriza ainda mais a produção”, acrescenta.

Por Thamirys Teixeira

Comente