As roupas e a ilusão de ótica

As roupas e a ilusão de ótica

Repare como Carolina Dieckmann criou um formato ampulheta apenas com o drapeado estratégico de seu vestido. O volume nas alturas do busto e quadril ampliaram essas regiões e o fato do desenho ficar mais estreito na altura da cintura fizeram com que esta parte do corpo parecesse ainda mais fina. Foto: arquivo MBPress.

Na lista de dúvidas mais frequentes das Vilamigas, a campeã certamente é relacionada ao que vestir em cada tipo de corpo.

Os biótipos são:

Retangular - os ombros e o quadril são proporcionais e a linha da cintura não é definida.

Oval - barriga mais saliente do que os ombros e o quadril.

Triangular (ou pêra) - quadril maior que os ombros.

Triangular invertido - ombros largos e quadril estreito.

Ampulheta - ombros e quadril com a mesma largura, com cintura definida.

O ideal é balancear essas proporções (esconder o maior e destacar o menor) para criar uma aparência harmoniosa. Mas mais importante, e mais fácil, que pensar apenas em como balancear as proporções de cada tipo de corpo, é destacar o que consideramos pontos fortes e o camuflar as imperfeições que não gostamos. Afinal, seu quadril pode ser mais largo que seus ombros, mas você pode achar que isso é um ponto forte que não desejaria diminuir.

Então esqueça os tipos de corpo e pense no que considera mais e menos atrativo em seu corpo. Uma vez que as melhores partes são identificadas, faz-se o possível para atrair o olhar das pessoas para esse ponto e, consequentemente, o distrairá dos pontos indesejáveis. Como fazer isso?

Simplificando, deve-se lembrar de algumas 'regras' básicas:

Linhas horizontais (em formas de estampas, recortes ou sobreposicões) achatam e alargam a silhueta.

Volumes atraem a atenção, portanto devem ser usados na parte mais magra do corpo (isso vale não só parar roupas, mas para acessórios também)

Sobras de tecido em pontos em que a pele aparece (como barra das mangas, golas e barras das pernas) ajudam a criar a ilusão de peça levemente folgada, logo fazem com que a pessoa pareça mais magra - desde que estejam na altura da parte mais estreita do membro (cotovelo e joelho, por exemplo)

Linhas verticais (estampas, recortes ou sobreposições) alongam e tornam a silhueta mais estreita

Curvas ressaltam as linhas arredondadas do rosto e corpo e ângulos ressaltam as linhas retas.

Tecidos pesados criam estruturas e tecidos fluídos suavizam as linhas.

Seguindo essa linha de pensamento, toda vez que usamos cintos, sandálias com tiras no tornozelo, botas, contraste de cores entre parte de cima e parte de baixo (blusa branca e saia preta, por exemplo) e qualquer coisa que divida a silhueta criando linhas horizontalmente, faremos com que essa parte pareça mais ampla.

Quando usamos babados, drapeados e estampas, estamos atraindo o olhar e conseguindo o mesmo efeito. No caso dos acessórios, como colares e bolsas, é importante que eles fiquem na altura da parte mais magra (ou que queremos ampliar) do corpo. Por exemplo, colares longos alongam o pescoço e rosto, mas se o colar terminar na altura do estômago, o volume pode chamar a atenção para a barriga saliente. O mesmo vale para mangas, devemos prestar a atenção para a altura em que terminam, pois atraem a atenção para essa parte do corpo, além de criar uma linha horizontal. A manga na altura do cotovelo, por exemplo, atrairá o olhar para cima e alongará o corpo, mas a linha criada chamará a atenção para a região da cintura, ressaltando qualquer saliência. Na altura dos pulsos não criará o efeito alongador, mas a atenção atraída para o quadril poderá auxiliar a ressaltar quadris mais estreitos, sem destacar a barriga.

Ainda sobre mangas, se deixarmos que a altura das mangas de nossas camisas fiquem ajustadas na parte mais larga dos antebraços, eles se sobressairão e parecerão maiores, mas se as deixássemos na altura dos pulsos ou dos cotovelos e levemente largas, a sobra de tecido nas partes mais estreitas dos braços faria com que parecessem mais finos.

Para conseguir o efeito alongador e emagrecedor, o ideal é criarmos linhas verticais com o auxílio da sobreposição de casacos, coletes e camisas abertas, usando peças com risca de giz e "estampas" verticais. Se usarmos um casaco fechado, estamos criando volume que ampliará a região, mas quando o abrimos, suas linhas verticais fazem com que o olhar corra livremente e a região pareça alongada.

Para disfarçar rostos arredondados, o ideal é apostar em decotes, armações de óculos e outros acessórios angulares, que ressaltarão as linhas retas do rosto. O efeito oposto ocorre quando usamos decotes, armações e outros acessórios com linhas arredondadas para disfarçar um maxilar com ângulos muito pronunciados, por exemplo.

Um blusão de tecido pesado pode aumentar partes de cima estreitas enquanto blusas de tecidos fluídos podem suavizar bustos e barriga avantajadas.

Recortes estratégicos são fortes aliados na hora de criar uma ilusão de ótica que ajude a delinear o corpo.


Além de provar cada peça com cuidado, não se esqueça de se olhar sempre de frente e de costas no espelho antes de escolher um look.

Separei oito exemplos de como algumas linhas podem criar uma ilusão de ótica que transforma o corpo, confira nas fotos.

[galeria]

Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente