Alexandre Herchcovitch e as piriguetes

Alexandre Herchcovitch e as piriguetes

Foto divulgação

A semana nem tinha começado oficialmente, mas o grande debate da temporada já tinha sido aberto. Alexandre Herchcovitch, em entrevista à Vivian Whiteman, declarou: "O Brasil tem expertise de fazer roupa de piriguete".

Todo mundo adora questionar a tal identidade da moda nacional, mas poucos assumem essa realidade. A moda vendida nas semanas de moda é para poucos - mesmo porque, quando as propostas atingem as massas, a própria moda as mata e propõe ideias novas.

A frase de Alexandre é tão correta que, embora muitos torçam o nariz, não é só na novela ou fora da Bienal que o "piriguetismo" faz sucesso. Embora poucas se assumam, especialmente nos corredores da SPFW, elas estão presentes em todos os lugares - inclusive nas passarelas (uma piriguete mais sofisticada, é verdade, mas ainda uma piriguete).

Algumas pessoas alegam que o piriguetismo é uma questão de comportamento e não apenas de aparência, mas é justamente a aparência que traduz quem somos e revela muito, antes mesmo de abrirmos a boca.

A recriminação é antiga: comunidades inteiras do finado Orkut, como a clássica "piriguete não sente frio", eram dedicadas a isso. Ouso dizer que, ainda hoje, um dos exercícios favoritos das pessoas que vejo nas redes sociais das quais participo é justamente esse.

Mas você tem certeza de que não está recriminando a si mesma?

Se você conhece a linha entre o sensual e o vulgar, mas não se incomodaria em cruzá-la, ignorando a antiga "regra" da compensação (quando uma parte do corpo está à mostra, a outra é coberta) - mesmo que a temperatura peça um figurino mais protetor... Ou se ficou tão feliz quando a Hervé Léger resgatou a saia bandage em 2008 que não desapegou dela até hoje, é melhor repensar suas tuitadas.

Elegeu como roupa cotidiana favorita a calça legging com blusa curta - especialmente se a barriguinha for exposta? Até gosta de moda e procura manter-se ligada, desde que as tendências propostas não fiquem competindo com seu corpo?

É, minha querida, é você quem garante a expertise do nosso mercado.


Em tempo: se você se identificou com algumas das hipóteses acima e sabe usar esse lado apenas quando é coerente, tudo vai ficar bem. Mas se você se viu em todas elas, talvez seja o momento de repensar a hora e o lugar em que vai deixar que este seu estilo aflore.

Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente