A nova cara do tricô

Uma das propostas mais comentadas nos desfiles de outono/inverno foi o tricô. Claro, tricôs são itens clássicos do guarda-roupa de inverno, principalmente para quem mora em regiões mais frias, porém, dificilmente aparecem nos desfiles. Dificilmente apareciam.

Além da cara completamente nova que Lucas Nascimento deu à essa técnica tão antiga, outros estilistas propuseram novas formas de usá-lo.

Os tricôs de agora são enormes - no ponto, no fio, nos tamanhos e detalhes das peças. São vestidos, blusões e casacos com pontos super largos, capuzes e golas gigantes.

E o mais legal é que, com um pouco de paciência e habilidade, você pode fazer em casa. Além de ser uma maneira relativamente econômica de inserir novas peças no seu guarda-roupa, algumas pessoas consideram relaxante e ainda ajuda a passar o tempo.

A maneira mais fácil de começar, se você não tem prática, é fazendo o bom e velho cachecol...

Com as novas tecnologias, existem lãs cada vez mais trabalhadas - com pelinhos, franjas, lurex, paetês e inúmeras opções. Totalmente diferente daquelas do tempo das nossas avós! Algumas são tão macias que você não quer tirar nunca mais!

Se você é do tipo que não gosta de trabalhos longos porque não vê a hora de usar o resultado, ou têm bastante roupa no armário, mas cansou da aparência delas... Saiba que, com bem menos tempo, o tricô também serve para atualizar peças que você já tem.

Com a lã com franjas, por exemplo, você pode fazer apliques para colocar nos ombros daquele seu casaco básico demais. Além de ser super barato, pois gasta menos que um novelo, os apliques nos ombros, principalmente com franjas e pelinhos, estão super em alta.


Outra idéia, para quem não quiser perder a versatilidade das peças que já possui, é fazer golas avulsas. Não tem erro: é só fazer um cachecol um pouco mais curto e costurar as pontas.Érica Minchin trabalha com pesquisa, criação e desenvolvimento de produtos em moda e ministra cursos e palestras sobre imagem e tendências. Ela ensina que aparência é a ferramenta de comunicação não-verbal mais poderosa e estimula explorar as melhores maneiras de fazer uso dela. Contato: contato@ericaminchin.com

Comente