Você é o que você calça?

Você é o que você calça

Foto/Divulgação Arezzo

Você já deve ter ouvido falar que os sapatos apontam a personalidade do indivíduo. Mas será que é mesmo possível ter noção dos gostos e preferências de alguém somente pelo seu calçado preferido?

A Universidade do Kansas fez uma pesquisa sobre o assunto. O resultado apontou indícios da relação sapato/personalidade. A psicóloga clínica Marisa de Abreu revelou que inicialmente a afirmação lhe pareceu absurda, mas que após analisar a suposição observou que é possível.

"Pensando bem vemos que a Psicologia considera todas as nossas manifestações como representação de conteúdos internos. Por exemplo, seu tom de voz exprime um estado de espírito, pensamentos e sentimentos, ou seja, sua personalidade", aponta Marisa.

A psicóloga ressalta que é preciso tomar cuidado ao admitir que os sapatos refletem a personalidade do indivíduo. Marisa acredita que não podemos olhar apenas um aspecto e, por puro preconceito, pensar que já sabemos tudo a respeito da outra pessoa.

"Por exemplo, uma mulher que usa sapatos scarpin vermelho pode facilmente ser considerada uma pessoa que gosta de se insinuar sexualmente. Mas existe a possibilidade de sua personalidade ser mais do tipo dependente do que sedutora. Imagine se esta mulher usa este tipo de sapato por desejar ardentemente ser aceita pelo grupo que também usam este modelo", comenta.

É possível que o estado de espírito no momento da compra interfira na escolha. Marisa aponta: "Tanto na hora da compra como na hora de vestir a roupa do dia, a escolha da cor e modelo dizem algo a respeito de como a pessoa se sente e como ela é". Ela ressalta que o perigo está em não compreender todas as possibilidades de interpretações, principalmente sobre o que a outra pessoa veste ou calça, e cair em preconceitos.

De forma geral é possível que as características mais marcantes de personalidade estejam realmente refletidas nas características do sapato. "Uma pessoa moderna usa sapatos de vanguarda. Pessoas alegres usam sapatos coloridos. Pessoas sóbrias usam sapatos clássicos", exemplifica a psicóloga.

Claro que a Psicologia é mais complexa que isto. Marisa de Abreu ressalta que há os "mas". E explica: "Uma pessoa que usa sapatos bem modernos e diferentes pode ter uma personalidade também moderna e sem barreiras. Mas também podemos estar diante de alguém que precisa compensar frustrações internas e tenta desesperadamente ser notada."

Outro exemplo dado por Marisa trata-se de uma pessoa que usa sapatos confortáveis. "Pode ser alguém que preza o bom viver, que gosta de desfrutar a vida, ou também que tenha desistido de se empenhar para se apresentar de forma elegante. Ou ainda pode ser uma pessoa que tem problemas de coluna e usa estes sapatos por serem os únicos que a mantém de pé o dia todo", afirma.


Embora seja possível ter noção da personalidade de um indivíduo por meio dos sapatos usados por ele, isto não é o melhor a se fazer. Há outros meios para se conhecer alguém, até de maneira mais profunda. "Este caminho curto é bem confortável, mas nada confiável. Ele faz a pessoa se relacionar com os outros usando estas informações que pensa serem simples e fáceis, quando cada ser humano é de uma complexidade e beleza maravilhosas", expõe Marisa de Abreu.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente