Chapéus com inspiração musical

Chapéus exclusivos com inspiração musical

Foto/Divulgação E-Holic

Acessório é bom e tudo mundo gosta. Principalmente quando são peças exclusivas, que você jamais encontrará no corpo de outra pessoa. E que tal ter um chapéu que foi inspirado em uma música? Assim são as peças criadas por Durval Sampaio, ou simplesmente Du E-Holic.

Segundo Du, a marca E-Holic surgiu de "sonho e necessidade". Cansado de não encontrar chapéus, ele começou a produzir as suas próprias peças. "Sempre gostei de fazer coisas, cortar roupas. Na época do nascimento da E-Holic eu trabalhava em outra coisa que somente alimentava o ‘ego financeiro’. Joguei tudo para o alto há uns três anos e comecei a fazer feiras, aprender a costurar e agora estou engatinhando nesse meu sonho", conta Du.

O idealizador do projeto revela que o acessório é para ele como um cartão de visitas e que, além disso, o usa para ficar mais elegante. Du realizou um sonho recentemente, no mínimo, ousado. Viajou por 15 países e deixou em cada um deles um chapéu para alguém especial. "O último foi o mais legal. Conheci uma turma apaixonante em Barcelona. O modelo mais bacana que levei, uma cartola dupla face, entreguei para um português", afirma o jovem empresário.

O criador da E-Holic lembra que, no início, a viagem seria simplesmente para conhecer outras pessoas, mas que foi impossível deixar a fábrica de chapéus no Brasil. Sobre o costume de usar o acessório em outros locais Du garante: "Buscava observar em países muito pobres como, por exemplo, Marrocos, como o acessório era usado. Analisei que mesmo na miséria o chapéu está lá, mas nem sempre era para proteção, era por gosto mesmo", explica. "E na Suíça o chapéu é usual e faz parte do dia a dia", completa.

Os materiais utilizados na produção das peças são para lá de inusitados: tecidos e roupas antigas, estofamento, panos de prato, sacos de cimento, filtro de café, chapa de raio-X , jornal e rendas. Du diz que gosta de comprar os tecidos e guardar por um ou dois anos, antes de usá-los. "Sou um pouco compulsivo por comprar tecidos. Tenho mais de 10 mil tipos diferentes, em muitas caixas no meu ateliê", afirma.

[galeria]


Na hora de colocar as ideias em prática, Du E-Holic é o único a por a mão na massa. "Tenho o maior ciúme do mundo", dispara. "Tudo é feito meio que por experimento, cada peça é única e surge alguma técnica nova sempre", revela o empresário. Enquanto está costurando ela ouve música. "Sem ela não consigo começar uma peça", diz. Du não usa moldes para produzir os chapéus, todos são feitos manualmente. Por isto, são únicas.

As peças estão à venda na loja virtual ou na própria E-Holic, localizada em São Paulo. Todos os chapéus vêm com uma etiqueta informando o nome da música que serviu de inspiração.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente

Assuntos relacionados: moda fashion acessórios chapéu raio x