Vocabulário direto da Índia

Vocabulário direto da Índia

foto Davi de Almeida (Divulgação TV Globo)

A novela “Caminho das Índias” introduziu no horário nobre uma infinidade de novas palavras que, como tudo que faz parte da cultura de massa, já caiu no gosto popular. Ou vai dizer que você não se pegou tentando dizer (ou até entender) expressões Arebaba, Djan e Dalit?

Como as expressões nem sempre são claras para todos, alguns atores logo colocam a tradução, depois da palavra hindi. É o caso da “firanghi”, que sempre vem seguida de “estrangeira”, facilitando para quem está do lado de cá da tela. Segundo a assessoria de imprensa da Globo, os termos indianos já vêm sendo todos traduzidos dessa maneira.

Mesmo assim, a própria autora da novela, Glória Perez, colocou em seu blog um lista de termos e significados. Segundo ela, muita gente escreve pedindo. No blog ela explica, por exemplo, que colocar ‘di’ no final de uma expressão, acrescenta respeito maior à pessoa a quem se dirige. Enquanto Baguan Kelie quer dizer ‘por Deus’ ou ‘ô meu Deus’, Arebabaguandi é mais respeitoso, ainda que no sentido ‘ai meu Deus’.

Vocabulário direto da Índia

Foto João Miguel Jr. (Divulgação TV Globo)

Na Índia, a maneira de chamar um ente familiar, por exemplo, especifica exatamente o grau de parentesco que se tem com ele. Enquanto o tio por parte de pai será o ‘barepapa’ (o mais velho) caca ou tchatcha (o mais novo), o tio por parte de mãe será apenas ‘mama’. Os avós por parte de pai são ‘dada’ e ‘dadi’. Já por parte de mãe, ‘nana’ e ‘nani’.

Já ‘brâmane’ é nome dado à casta mais alta. Segundo os textos sagrados, são aqueles que vieram da boca do deus Brahma. O oposto seria um Dalit, a pessoa impura, intocável (caso de Bahuan, interpretado por Márcio Garcia). O sistema de castas já foi até banido por lei na Índia, mas não pelos costumes.


Para ajudar você a não precisar soltar um ‘Are, baba’ (‘ai meu Deus’, ‘poxa’, ‘não brinca’, ‘ah não’) entre um capítulo e outro, o Vila Glitter selecionou algumas das palavras e colocou a tradução para você.

Are, Rama: Rama é um dos avatares de Vishnu. Assim como Are Baba, é uma interjeição.

Baldi ou Papa: pai

Mami ou Mamadi: mãe

Bhaya: irmão mais velho

Didi: irmã

Djan: querido, amado

Tchalô/Chalo: vamos!

Djan, djan: vá, vá, vamos

Ulu: pessoa estúpida, burra

Ulucapatá: o maior de todos os burros ou “grande senhor dos burros”, como traduzem os indianos

Atchá: expressão de satisfação, ‘tudo bem’

Atchatchatcha: muita satisfação

Tik: sim

Tik he: ‘tudo bem’

Mahadeva: Deus Supremo, sinônimo de Shiva.

Laksmi: nome próprio de uma deusa que traz prosperidade e beleza para a terra

Manglik: pessoa amaldiçoada para o amor. Isso significa que o primeiro casamento da vida dessa pessoa está condenado ao fracasso, mas nada se sabe quanto ao segundo. Por isso é recomendado que ela se case com um animal ou um vegetal para se livrar de tal maldição. Este ritual de casamento é chamado de Kumbh Vivah.

Namastê: um cumprimento para saudar as pessoas. Significa “o deus que habita em mim saúda o deus que habita em você”.

Puja para Ganesha: Puja é um tipo de ritual e Ganesha é a divindade mais popular da Índia. Na ocasião, são oferecidas comidas como coco, doces, grão de bico e outras iguarias indianas. Além das oferendas, flores, incensos e velas devem enfeitar o ritual.

Rupia: a moeda da Índia. Uma rupia divide-se em 100 paisas (como os centavos, no Brasil). A palavra “Rupiah” deriva do inglês “Rupee” ou do sânscrito “Rupya” que significa prata. Na Índia, todas as notas trazem a imagem de Gandhi.

Sari: roupa típica da Índia usada pelas mulheres. Trata-se simplesmente de um pano enrolado no corpo.

Por Sabrina Passos

Comente