Um bate papo com Dilma Bolada!

Um bate papo com Dilma Bolada

Foto: Facebook/Dilma Bolada

"Sou linda, sou diva, sou Presidenta. Sou Dilma! Sou uma sátira, se você não sabe o que é uma sátira, pega o número na fila do Bolsa Escola!" Esse slogan recepciona os visitantes que acessam a fan page Dilma Bolada. O perfil falso criado por Jeferson Monteiro já rendeu ao estudante de Publicidade de 23 anos dois Shorty Awards, considerado o Oscar das Mídias Sociais, em 2012 e 2013.

Sempre antenado, Jeferson arranca boas risadas dos mais de 275 mil curtidores da página inventando posts que descrevem o dia a dia de presidenta e suas ideias mirabolantes para melhorar o país. A brincadeira começou no Twitter, em 2010. Quando questionado sobre os motivos pelos quais escolheu fazer um perfil de Dilma Rousseff, ele diz: "Acho que o que pesou mais foi o fato dela estar no comando do país, ou seja: a Dilma Bolada só existe porque a Dilma é presidenta, se não fosse talvez nunca a página existiria."

Admirador da mulher mais importante do Brasil, Jeferson define sua Fan Page como uma homenagem. "Avalio de forma positiva o governo dela, muito bom e objetivo. Dilma é uma pessoa comprometida com metas e objetivos, sobretudo em longo prazo. Acho que muito do que está sendo feito hoje será colhido no futuro. Acho isso ótimo."

Confira abaixo a entrevista completa com Jéferson Monteiro:

VM - A Dilma já comentou sobre a página?

JM - Infelizmente não. Digo infelizmente porque adoraria saber se ela conhece o conteúdo, a existência. Já me disseram que ela sabe, não me refiro nem a acompanhar, pois é algo inimaginável, mas queria muito saber se ela gosta. Enfim, quem sabe um dia descobriremos...

VM - Que embasamento você buscou para criar o perfil? Já gostava e dominava o assunto política para criar os posts?

JM - Não dominava e acho que até hoje não domino o assunto, rs. Gosto de me manter bem informado sobre tudo o que acontece e com política não poderia ser diferente. Não vou negar que passei a me informar mais sobre o que acontece no cenário político atual, até mesmo para escrever algumas histórias. A criação da personagem sempre visou o humor, de início sequer tinha uma função, foi tudo acontecendo.

VM - Os posts da Dilma são autorais ou você se baseia no que ela diz para criar suas piadas?

JM - A Dilma Bolada não nasceu pronta, foi sendo construída aos poucos. Mas uma coisa nunca mudou e acho que nunca vai mudar: eu sou o único criador de conteúdo da página, cada post, tweet e montagem, tudo feito por mim.

VM - Iniciativas criativas nas redes sociais costumam fazer bastante sucesso. Você imaginava que o público curtiria seu perfil? Esperava essa repercussão toda?

JM - Foi algo espontâneo, não criei a página esperando ser capa de jornais e revistas, tampouco ganhar prêmio internacional. Tudo o que acontece é consequência de algo que para mim é tão prazeroso e intrínseco que acaba dando certo. Levo tudo numa boa, também não posso viver em função da Dilma Bolada. Até porque amanhã as pessoas podem enjoar e ficar apenas como uma lembrança boa.

VM - Foi esse sucesso todo que lhe motivou a largar o curso de Administração e migrar para Publicidade?

JM - A mudança de curso era algo que já estava determinado a fazer, vinha estudando terminar Administração e iniciar Publicidade. Eu apenas acelerei um processo que acho que seria um caminho natural para mim, quem me conhece sabe disso. Foi uma decisão consciente e tive o apoio de todos.

VM - Além de elogios você certamente também recebe muitas críticas, não é? Como você lida com elas?

JM - Lido com todo tipo de crítica de forma muito natural, estou sempre disposto a ouví-las, tanto positivas quanto negativas. Quando é a Dilma Bolada que fala, aí entra o personagem. Parece meio louco, mas a Dilma Bolada e Jeferson Monteiro não são a mesma coisa, ela é um personagem, eu sou o autor. Por vezes uma resposta dela jamais será igual a minha. O que nunca vou admitir é que pessoas levantem hipóteses fantasiosas sem provas que denigram a minha imagem.

VM - Você já ganhou dois prêmios Shorty Awards, o Oscar das Mídias Sociais, por conta do perfil falso da Dilma. Isso de certa forma faz você se tornar uma referência. Como vê isso?

JM - Acho super legal esse reconhecimento, é um prêmio importante sim. Contudo, não acho que sou exclusivo, encontrei um nicho, fui pioneiro e criei algo que não existia, isso não quer dizer que você ou qualquer outra pessoa não possa criar algo diferente e se tornar referência também. Por vezes precisamos analisar mais o que temos, o que é oferecido para as pessoas e o que pode ser criado como alternativa para o público. A internet é feita de gente, as pessoas estão cada vez mais exigentes, querem novidade, coisas diferentes. Acho que essa é a sacada.

VM - Como você avalia a qualidade e o conteúdo das redes sociais? O que de bom e de ruim ela oferece?

JM - Acho que de bom tem justamente essa variedade de conteúdo e informações o tempo inteiro. Mas acho que todos nós devemos ter cuidado com aquilo que nos é passado. Acredito que em função da própria velocidade das informações as pessoas acabam se esquecendo de checar a veracidade dos fatos e, por muitas vezes, tomam equivocadamente algumas informações como verdadeiras, e nem sempre são.


VM - O que mais podemos esperar da sua iniciativa?

JM - O blog vem aí, está no forno e os preparativos finais a todo vapor. Tudo o que já foi postado pela Dilma Bolada ficará mais fácil de acessar. Um livro talvez venha mais para frente. Tenho estudo essa possibilidade e, se realmente a Dilma Bolada permanecer com força até o fim do ano, ganhará as prateleiras das livrarias.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente