Tammy Di Calafiori, jovem estrela de “Ciranda de Pedra”

Tammy Di Calafiori

Foto Arquivo MBPress

Tammy Di Calafiori, a Virgínia da novela global “Ciranda de Pedra”, não fala em outra coisa além da satisfação com sua profissão. Feliz e focada no trabalho, a jovem de 19 anos pretende fazer faculdade e confessa ser fã do também ator Rodrigo Santoro.

Vila Glitter foi conversar com a jovem atriz. Confira aqui a entrevista:

Antes mesmo de começar o folhetim “Ciranda de Pedra”, você já era considerada destaque da trama. Em algum momento teve medo de não superar as expectativas do público em relação à sua atuação?

Claro que você sempre fica com frio na barriga, mas quando começa a atuar, encontra o tom da personagem. Eu estou tentando fazer um trabalho de qualidade, estou estudando muito, aprendendo muito com as pessoas que contraceno. Eu posso agradar e desagradar, mas tento não pensar nisso, só me foco no meu trabalho.

Fez alguma preparação, já que a novela é de época?

Fiz preparação de corpo, workshops e palestras sobre a década de 50, política e também estudei Juscelino Kubitschek. Além disso, fiz aulas de rock e etiqueta, que foi bastante aproveitável. Achei bem legal.

Muitas pessoas começaram a se aproximar de você depois que a fama aumentou?

Eu não consegui sentir isso, porque estou trabalhando muito (risos). As pessoas estão mais distantes por causa disso. Estou tão focada no trabalho que não consigo encontrar muito minhas amigas. Mas elas entendem que é super importante para mim. A gente se fala sempre pelo telefone.

Você namora?

Não namoro. Não por falta de tempo, mas por falta de encontrar alguém para namorar (risos).

Acha que a fama pode atrapalhar para começar algum namoro?

Sobre isso, não tenho muita idéia. Não sei se atrapalha, estou começando agora e me sinto super feliz porque é uma conseqüência do meu trabalho.

Sua família apóia sua decisão de seguir carreira artística?

No começo, minha mãe ficou receosa. Ela queria que eu tivesse uma carreira estável, sem tanta exposição. Hoje, ela me apóia e me ajuda bastante, pois é bem crítica. Minha avó é super coruja, baba comigo.

As pessoas que estão na mídia andam sempre bem arrumadas e bonitas. Você se sente pressionada?

Como eu escolhi essa profissão, tenho que saber encarar isso. Tem uma frase do Raul Cortez (O ator morreu em julho de 2006, aos 73 anos, vítima de câncer) que eu acho o máximo, o admiro muito. Ele falava que, a partir do momento em que o ator sai de casa, está trabalhando! Estou na casa das pessoas todos os dias às 18 horas, então, elas se sentem à vontade comigo. Lógico que existem momentos em que quero ficar sozinha, mas é uma conseqüência do nosso trabalho, a gente optou por isso.

Como é trabalhar com atores experientes, como Ana Paula Arósio e Marcello Antony? Já tinha atuado com eles?

Nunca trabalhei com eles e está sendo incrível. Já admirava seus trabalhos e hoje admiro mais ainda como profissionais e como pessoas. A Ana Paula é super generosa, uma mãezona, sempre vê se a gente está bem, se a gente está com repelente (por causa da epidemia de dengue no Rio de Janeiro). O Marcello dá várias dicas de cena. A equipe é muito boa, sempre se ajuda e é unida.

Você já fez uma outra novela de época, a “Alma Gêmea”. Gosta desse universo?

Adoro! O maior barato é que você está em um universo onde não viveu. Se hoje em dia tudo é assim, é porque há um passado. Você aprende mais sobre a história.

O que pensa em fazer depois que terminar “Ciranda de Pedra”?

Estou muito focada na novela. Agora estou 100% nela, mas penso em fazer faculdade. Tudo me acrescenta, ainda mais como atriz, artes cênicas, cinema, letras.

Você se espelha em algum ator?

Sim, admiro muito o Rodrigo Santoro. Eu o acho muito legal. Também adoro a Drica Moraes. Tem tanto profissional talentoso aqui no Brasil e no exterior. Gosto de Jack Nicholson e Johnny Depp.

Fonte - MBPress

Comente