Sorriso de celebridade

Sabe aqueles dentes charmosos por serem um pouco separados; aquele canino levemente projetado para frente e, por isto, singular; aquele sorriso escancarado de um dentuço feliz? Serão coisas do passado. Os Ronaldinhos, então, espere para ver! Réplicas de suas bocas serão exibidas em museus de história natural, e as crianças perguntarão: “mas, papai, por que eles eram assim? Sabiam mesmo jogar futebol?”

Os avanços das técnicas odontológicas são impressionantes. Os tratamentos disponíveis nas clínicas de ponta oferecem soluções para problemas agudos e crônicos. Curam dores que fazem sofrer. Recuperam dentes perdidos em acidentes. Resolvem traumas de infância que se justificam. Os profissionais são verdadeiros anjos-artistas.

A aplicação de toda esta tecnologia em busca da perfeição estética, no entanto, chega a ser assustadora e engraçada ao mesmo tempo.

Estive recentemente em consulta com um especialista, numa clínica renomada de São Paulo, que me forneceu o seguinte diagnóstico (cujo sentido geral reproduzo aqui, abolindo as expressões técnicas, que simplesmente desconheço):

“Seus dentes estão ótimos. Sua mordida é boa, esteticamente está ok. Mas para ficar ideal, precisaria tratar. Para o seu caso, existem duas opções: podemos fazer uma cirurgia de deslocamento do queixo (!!) ou extrair 3 dentes para que os demais possam ser redistribuídos no espaço da sua arcada (!!!!!!)”

Eu, evidentemente, já fui logo pegando minha bolsa para abandonar aquele set de filme de terror, antes que eu me descuidasse e ele me sapecasse uma anestesia geral.

As revistas femininas apontam na mesma direção: “Tudo pelo sorriso perfeito! Novos materiais e técnicas do século 21 vão deixar seus dentes retos, alinhados e branquinhos como a neve”, diz, por exemplo, a chamada de uma matéria da revista dedicada à boa forma.

Um estudo realizado por pesquisadores do King’s College, em Londres, constatou que dentes bonitos são um indicador de sucesso. Um grupo de voluntários avaliou os mesmos indivíduos de formas diferentes, dependendo da condição dos seus dentes. Os indivíduos com dentes deteriorados foram qualificados como menos inteligentes e menos ajustados. Os com dentes clareados foram avaliados como mais atraentes e bem-sucedidos. A diferença foi ainda mais gritante no caso das mulheres. O estudo revela também que houve uma mudança no conceito de sorriso bonito, por influência das imagens hollywoodianas que invadem o mundo. Evidentemente, o sorriso perfeito é uma questão de gosto. Mas, como sempre, as celebridades “gritam” os modelos.

Sorriso-padrão: mais um recurso para a incessante busca da beleza ideal.

Uma a Uma é uma empresa de inteligência de mercado especializada no público feminino. As sócias e colunistas do Vila Mulher, Denise Gallo e Renata Petrovic, ajudam a entender melhor e desvendar as várias faces da mulher contemporânea.

Comente