Lembra do Bacana da “Armação Ilimitada”?

Jonas Torres

Jonas Torres / foto Michel Ângelo (divulgação TV Record)

Diferente dos atores que conquistam seu espaço na televisão ainda na infância e fazem de tudo para se firmar e seguir a trajetória nas telas, Jonas Torres preferiu viver outras experiências. Ele fez história, interpretando o menor abandonado órfão “Bacana”, no seriado “Armação Ilimitada”, sucesso do final da década de 1980. E o personagem foi a bandeirada inicial para que Jonas se tornasse um pupilo na televisão ainda com pouca idade. Ao lado de Kadu Moliterno, André de Biasi e Andréa Beltrão, ele participou ativamente do programa que marcou uma geração.

Entretanto, ator prodígio preferiu alçar novos voos (literalmente) e se afastou da televisão. Jonas conta que muitas coisas aconteceram em sua vida nesse período longe dos holofotes. “Morei durante quase oito anos nos Estados Unidos (o pai é americano) e trabalhei como piloto e mecânico de aviões por lá”. Ele fala que não se arrepende de ter abandonado a carreira e feito outras coisas em sua vida. “Realizei tudo o que queria”, comenta.

Jonas foi criado pelo ator Fábio Junqueira, falecido em novembro do ano passado. Na mesma época em que perdeu o pai de criação, recebeu o convite para retornar às novelas. Com saudades da televisão, não pensou duas vezes.

Jonas Torres  ator

De volta às telas, depois de quase dez anos, vive hoje o vilão Eléctron, na trama “Os Mutantes - Caminhos do Coração”, da Record. Além de atuar, não economiza energia. Adora saltar de pára-quedas, pilotar e consertar aviões e surfar. Sobre o personagem Eléctron, Jonas se diverte. “Com o realismo fantástico, é possível explorar facetas que não são muito comuns em outro tipo de personagem”.

Parece mesmo que o pequeno Bacana cresceu. Ícone de uma geração e hoje aos 34 anos, Jonas quer se desvincular do personagem que o lançou quando tinha apenas 11. Para isso, se empenha em experimentar diferentes situações. A última é curtir a nova fase na tevê, sem esquecer o objetivo máximo para ele: adquirir sabedoria e ser feliz. Muito feliz.

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente