Faroeste Caboclo ganha as telonas

Faroeste Caboclo ganha as telonas

Foto: Divulgação

Para mexer com os fãs fervorosos da Legião Urbana é preciso cautela. Eles sabem cada música, porque foram escritas e qual o estado de espírito do poeta Renato Russo ao escrever cada uma delas. Mas o diretor René Sampaio e o roteirista Marcos Bernstein aceitaram o desafio e, segundo boa parte das críticas, foram bem sucedidos.

Hoje chega aos cinemas a adaptação da música "Faroeste Caboclo", escrita em 1979, e presente no CD "Que País é Este", de 1987. O tal João de Santo Cristo é interpretado por Fabrício Boliveira. Isis Valverde é a menina linda, Maria Lúcia. E Felipe Abib é Jeremias, o traficante de renome.

Em cena, René Sampaio prova que a música de Renato Russo é mais atual do que muita gente pensa. Fabrício Boliveira argumenta justamente sobre isso. Ele compara a música à realidade dos meninos que vivem em comunidades carentes, cuja missão é mudar seus destinos.

"Eu acho que ele (discurso político de Faroeste Caboclo) comunica e dialoga com o hoje completamente. E é uma preocupação pegar a essência do filme, da música, dialogando com o hoje e falar sobre respeito e intolerância", disse Fabrício.

Em um especial sobre o filme publicado pelo jornal Correio Braziliense, Fabrício usa as mesmas palavras do personagem criado por Renato Russo para descrever Brasília: "Cidade linda". E explica: o filme fala sobre o êxodo rural. E a violência presente no filme tem como foco a moral, a honra de alguém que briga para vencer na vida.


"Faroeste Caboclo" promete prender fãs fervorosos e o público em geral com muito romance, suspense e ação. E ao final do filme você pode cantar a música todinha enquanto acompanha os créditos.

Por Juliana Falcão (MBPress)

Comente