Exigências da vida de modelo!

Exigências da vida de modelo

Débora Grings para Néon/ Arquivo MBPress

Vejam só: a modelo veterana Débora Grings já se acha velha para desfilar! Com 22 anos, a gaúcha entrou para a carreira há cinco e, nos bastidores do São Paulo Fashion Week, contou que logo pensa em sair dela. “Comecei aos 17 anos. Tenho 1,80m e peso 60 quilos. Estou velha e gorda perto das outras modelos”, afirma Débora. É difícil imaginar que alguém com estes padrões seja considerada “velha e gorda”, conforme a jovem diz. Só mesmo nas exigências do SPFW.

Débora contou que já passou por muita pressão devido ao seu corpo. A loira está longe de ser ao menos “fofinha”, mas para os rígidos padrões da passarela, seus 60 quilos são motivos de preocupação. “No começo de minha carreira, eu tive muito problema de me mandarem emagrecer, e olha que eu pesava 57 quilos. Perdi quatro e não conseguia pegar trabalho, porque fiquei magra demais. A pressão mexeu muito com meu psicológico. Voltei para o sul e fiz acompanhamento com uma nutricionista para voltar à carreira”, confessa a modelo.

Débora só fez uma viagem internacional. Entre as marcas que representou está a francesa Dior. “Eu preferi ficar por aqui ao invés de seguir carreira internacional, pois aqui já estou estável. Lá fora tem muita pressão e é estressante”, diz a loira.

O público que assiste às modelos planando nas passarelas pode achar que elas já estão ricas e com o futuro garantido, mas isso é mero engano. Débora garante que o máximo que ganham por desfile é R$ 400. “A maioria das modelos que desfilam para o SPFW não recebe nada, desfila pelo currículo. Muitas fazem permuta e são pagas em roupas. As que são pagas em dinheiro, demoram a receber. Muitas agências só pagam na coleção seguinte, quando sabem que vão precisar da modelo novamente”, declara.

Diante de tantas dificuldades, sem dúvida elas merecem muitos aplausos quando entram nas passarelas!

Fonte - MBPress

Comente