Entrevista: Deborah Secco

Entrevista Deborah Secco

Deborah Secco (Divulgação TV Globo)

Ele iniciou a carreira nas telinhas na novela “Mico Preto”, em 1990, na Rede Globo. Mas dali foi um pulo para deslanchar com a jovem Carol em “Confissões de Adolescente”, da Tv Cultura, quatro anos depois. Daí pra frente, Deborah Secco participou da maioria dos grandes folhetins produzidos até hoje.

Foi a interesseira Marina, em “Suave Veneno” e a malvada Íris, em “Laços de Família”. Nesse meio tempo - aos 18 anos - posou para a revista Playboy. Estreou no cinema em 2000, com o filme “Um Anjo Trapalhão”, de Renato Aragão. No ano seguinte, brilhou ao lado de Selton Mello e Camila Pitanga em “Caramuru - A invenção do Brasil”. Na mesma época, a carioca conseguiu seu primeiro papel principal na novela “A Padroeira”, de Walcyr Carrasco.

Em 2002, em “O Beijo do Vampiro”, a atriz interpretou a engraçada Lara. E mais uma vez, desta vez já siliconada, posou para a Playboy.

A atriz também participou do filme “Xuxa e os duendes 2 - No caminho das fadas” e deixou muitos marmanjos de boca aberta em 2003, quando sua personagem Darlene fez topless em um dos capítulos de “Celebridades”. Nas telonas do mesmo ano, foi a vez de “Casseta e Planeta - A taça do mundo é nossa”, e “Meu tio matou um cara”.

Deborah Secco

Deborah Secco (Divulgação TV Globo)

Mulher decidida, Deborah não brinca ao afirmar que gosta de papéis que a desafiam. Em 2005, viveu a sonhadora Sol, seu segundo papel principal, em “América”. Além de contracenar em “Pé na Jaca”, em 2006, também atuou nos palcos com as peças “Homens, melhor não tê-los, mas se não tê-los, como sabê-los?” e “Surto”. Depois de brilhar na novela de Carlos Lombardi, foi para “Paraíso Tropical”.

Seus últimos trabalhos na televisão em 2008 foram na novela “A Favorita”, como a divertida Maria do Céu e no especial de fim de ano “Decamerão - A Comédia do Sexo’.

Agora a bela está de férias. E vai ficar até 2010 sem atuar, esperando por mais uma protagonista. “Não me acho pior nem melhor do que ninguém, mas sempre tento dar o meu melhor para a cena ficar como o diretor quer”, diz.

Você iniciou na carreira bem jovem. Desde pequena já queria ser atriz? Sua família sempre a apoiou?

Sempre. Minha mãe me levava aos testes e me incentivava. Acho que já nasci interpretando (risos).

Naquela época de inexperiência diante das câmeras, algum ator ou atriz lhe deu dicas de interpretação?

Todos me ajudaram! Cada um do seu jeito e da sua maneira. Não tenho um nome específico. Foi um conjunto.

Você recebe convites tentadores de outras emissoras?

Estou muito feliz onde estou. Nunca parei para escutar nenhuma proposta que não seja da Rede Globo.

Você tem carinho especial, por algum personagem que já viveu?

Todos os trabalhos que fiz foram especiais. Não tenho como apontar um. Quando estou atuando em algum papel acho aquele mais importante que os outros, mas quando termina acho que todos foram importantes.

Quando você recebe os primeiros dados de seu personagem, como você compõe esses papéis?

Depende de cada personagem, mas eu estudo muito antes de interpretar.


Qual a diferença da TV e do teatro para você?

Eu gosto de fazer os dois, não tenho restrição, mas acho que tem uma diferença: a TV é vista pelo grande público e o teatro infelizmente ainda não.

Você já foi eleita como a mulher mais sexy do Brasil. Você se considera assim?

Não, não me vejo dessa forma.

Sendo uma pessoa pública você sofre com o assédio?

Não me incomoda mais, mas hoje aprendi a lidar de uma forma diferente. Entendo e respeito a curiosidade das pessoas, mas respeito também a minha necessidade de ter uma vida privada.

Atualmente você está em férias. Existe algum novo projeto em andamento?

O especial “Decamerão” que fiz no final do ano entrou para grade da Globo. Vou começar a gravar em maio. Ele deve entrar no ar no segundo semestre deste ano.

Por Monique Abrantes (MBPress)

Comente