"Avenida Brasil" não sai da boca do povo

“Avenida Brasil” não sai da boca do povo

Foto: Divulgação TV Globo

"Avenida Brasil", novela que estreou no lugar de "Fina Estampa", no horário nobre global, está atingindo seu ápice. A trama escrita por João Emanuel Carneiro é um sucesso, assim como foi seu trabalho anterior, "A Favorita".

A popularidade do folhetim é tanta que "Avenida Brasil" tem atraído público que nunca se interessou muito por novelas. Frequentemente os assuntos mais comentados nas redes sociais vêm dessa atração.

Mas o que torna essa novela um sucesso nacional? Para Nilson Xavier, especialista em teledramaturgia, a receita que João Emanuel Carneiro usou em "Avenida Brasil" é uma combinação de mudanças repentinas e "ganchos" que prendem o telespectador.

"Esta é uma novela que te prende. Quem vê um capítulo não quer perder o seguinte", diz Nilson. Outro ponto indicado pelo especialista é a ausência de mocinhos e mocinhas. "Nina, personagem de Débora Falabella, deveria ter esse papel, mas não tem. A suposta ‘mocinha’ é vingativa e sem limites", ressalta Xavier. A garotinha que foi abandonada em um lixão parece ter crescido e se transformado em uma anti-heroína.

Marcos Eduardo Teixeira, 29 anos, conta que nunca acompanhou nenhuma novela. "Jamais fui de acompanhar este tipo de atração, no máximo assistia cinco minutos antes de começar o jogo de futebol, nas quartas-feiras. Não sei como foi que comecei a acompanhar a trama atual, mas estou viciado. Quando perco um capítulo vou conferir na internet", admite.

A trama de João Emanuel Carneiro é muito popular e retrata o subúrbio carioca e é também uma das raras que não dá grande destaque aos núcleos ricos da área nobre do Rio de Janeiro. Talvez Cadinho (Alexandre Borges) e suas esposas sejam a exceção. Embora a família Tufão tenha muito dinheiro, eles jamais deixaram o bairro do Divino, onde moravam antes de Tufão (Murilo Benício), conquistar sua fortuna jogando futebol.

"‘Avenida Brasil’ agrada muito a classe C, ela se sente identificada. Embora as demais classes sociais do Brasil não deixem de acompanhar e gostem muito da trama", afirma Nilson.


Quem assiste à novela não deixa de comentar nas rodinhas de amigos em bares, nos corredores de trabalho e, claro, em casa com a família. "Quando o programa é bom as redes sociais acompanham, causa repercussão, assim como todo grande evento. Não há diferença entre novela e um espetáculo de música pop, por exemplo", acrescenta o especialista.

Por Bianca de Souza (MBPress)

Comente