Violência doméstica - por que mulheres ainda sofrem caladas?

Violência doméstica

Foto: Photostock http://goo.gl/2KQGt

A violência doméstica contra mulheres é algo que, infelizmente, ainda está no lar de muitas famílias. Algo que ser repete na ficção através da novela "Fina Estampa", quando o personagem Baltazar (Alexandre Nero) protagonizava cenas de violência contra a sua esposa, Celeste (Dira Paes) e esta se calava mediante a agressividade do companheiro.

Para quem vê de fora, fica a dúvida: por que muitas mulheres ainda se calam diante da humilhação a que são submetidas por seus maridos? Por que sofrem caladas? Por que não denunciam seus maridos? Quando nos deparamos com notícias e relatos dessa espécie, somos movidos por dois sentimentos: raiva do culpado e indignação pelo sofrimento da esposa.

Para Cecília Zylberstajn, psicóloga, psicodramatista e psicoterapeuta de adultos e adolescentes, muitas mulheres sofrem caladas por sentirem vergonha de expor que existe isso no seu relacionamento conjugal ou por acreditarem que é apenas uma fase no casamento. "Algumas sentem receio por sofrerem ameaças do agressor. Eles sempre falam que, se a esposa denunciar, irá fazer da vida dela um ‘inferno’. Por medo, elas não criam coragem para prestar queixa formal da violência doméstica", explicou.

A especialista ressaltou que a autoestima da mulher que sofre maus tratos fica muito comprometida e esta começa a não se sentir valorizada e sem a capacidade de ser amada ou de amar. Esse panorama gera graves consequências no seu emocional, que fica extremamente abalado. Por isso, o melhor a fazer é denunciar o quanto antes o agressor e evitar que as agressões físicas fiquem muito mais graves.

Mudanças na Lei Maria da Penha

Segundo a psicóloga, com essas novas mudanças na Lei Maria da Penha, nas quais qualquer pessoa pode denunciar o agressor nos casos de violência doméstica contra a mulher, mesmo que a agredida não preste a queixa, as incidências de violência no lar podem ser reduzidas, mas não basta para que a mulher fique realmente livre do agressor.


"A mulher agredida precisa enxergar que com a denúncia ela colocará um ponto final naquela situação e, por isso, precisa tomar uma atitude. Existem várias formas de denunciar o agressor e se esta mulher sentir tanto ‘medo’ e estiver sem coragem para prestar queixa, pode fazer de forma anônima. Outro erro das mulheres é aceitar o marido novamente em seu lar, pois irá reiniciar um processo de agressões talvez ainda piores", explicou Cecília Zylberstajn.

Por Stefane Braga (MBPress)

Comente