Traição X Admiração mútua

Traição X Admiração mútua

Você pode não querer acreditar, mas estudos dão um tapa de luva em quem coloca a mão (e o corpo todo) no fogo em defesa da fidelidade. O conselheiro de casamento M. Gary Neuman, por exemplo, cansou de ouvir, por mais de 20 anos, as lamentações das mulheres em seu consultório e partiu para o ataque. Mas, ao invés de acabar com a raça dos infiéis, escreveu um livro que, segundo ele, deve ajudá-las a fugir do drama da traição.

Segundo Neuman, um em cada 2,7 homens vai trair com certeza - e a maioria de suas esposas jamais descobrirá. E a razão está longe de ser apenas sexual. Essa descoberta infame está no livro "The Truth About Cheating", ainda sem tradução no Brasil. E, garante o autor, a obra serve para dar poder às mulheres. "Trair é ridículo. É errado. Injustificável. Então, se posso provar que se você fizer algumas coisas pode levar seu relacionamento a um lugar melhor, será melhor pra você não apenar por evitar uma tragédia. Mas também para construir mais benefícios para a relação mutua". A psicóloga Mara Lúcia Madureira reitera: "Atribuir a responsabilidade das traições masculinas às mulheres é um retrocesso do pensamento".

O estudo de Neuman garante que 92% dos homens afirmaram que a traição não teve relação primária com o sexo. "Eles responderam que era muito mais por desconexão emocional, um sentimento de ser depreciado mesmo. Apesar de não parecerem ou não mostrarem, homens são seres emotivos". Mara Lúcia concorda com o autor. "A traição pode, muitas vezes, estar mais associada às questões afetivas, como a necessidade de admiração mútua, do que à busca de satisfação sexual. Basta considerar a frequência de casos de infidelidade entre casais que mantêm ótima qualidade das relações sexuais".

Segundo ela, a ausência de equilíbrio emocional, de companheirismo, de respeito à individualidade, da capacidade de diálogo e compreensão no relacionamento, além de falta de programas de lazer e entretenimento a dois, podem sim favorecer a busca de aventuras extraconjugais, nas quais se pode vivenciar, ainda que por breves momentos, uma experiência afetiva permeada de carinho e ternura.

Contas pra pagar, crianças e responsabilidades na casa facilmente levam os casais a deixarem a admiração de lado. E a outra, a amante, normalmente faz com que o homem se sinta melhor com ele mesmo - elas fazem com que eles se sentirem diferentes, apreciados, admirados. "Homens parecem fortes, poderosos e capazes. Mas, por dentro, são tão inseguros quanto às mulheres. Eles estão procurando por alguém que os valorizem também", garante Neuman. "Muitos homens se envolvem mais emocionalmente com suas amantes do que com as esposas e mantêm com elas uma relação de cuidados e cumplicidade jamais vivenciada no casamento", completa Mara Lúcia.

Afirmar então que toda traição masculina requer mera satisfação sexual, reflete uma grande inverdade. "Algumas traições são motivadas por interesses pessoais momentâneos, pela sensação de desafios ou autoafirmação de virilidade, na ideia de preservação da liberdade e individualidade", diz a psicóloga.

Solução?

Não adianta atribuir culpa mesmo a ninguém. Traições são decisões individuais - além de um risco potencial em qualquer relacionamento amoroso. O que se pode fazer é tentar melhorar a qualidade da relação, mantendo amor e desejo e fortalecendo os vínculos afetivos.

A psicóloga Mara Lúcia, que trabalha as relações entre a cognição e o comportamento, sugere uma série de atitudes que podem dar uma mãozinha para a fidelidade. Entre elas está se comportar de maneira carinhosa e gentil, expressar de forma franca e respeitosa os desejos e insatisfações, evitar ofensas e discussões desnecessárias, não permitir a intromissão e o controle de outras pessoas no relacionamento. Vale ainda cultivar as brincadeiras, manter o cuidado com a saúde e aparência física, buscar continuamente o desenvolvimento intelectual e emocional, alinhar os objetivos e trabalhar para as realizações conjuntas. "Se interessar pelas necessidades do outro, respeitar a individualidade e preferências do parceiro, abordar situações críticas sem acusações e propor soluções razoáveis, desenvolver e exercitar a tolerância são também fundamentais. Deve, enfim, manter-se atraente e interessante em todos os sentidos", sugere.


Quanta coisa, né? Mas saiba que, mesmo com tudo isso, achar que garantias existem é mera ilusão. "Decididamente não há formulas efetivas para eliminar os riscos da triangularidade nas relações amorosas".

Por Sabrina Passos (MBPress)

Comente